Ontem, o ator Ryan Reynolds divulgou a primeira imagem de ‘Deadpool 2‘, que traz ele deitadão em frente à Mansão X.

O que ninguém percebeu, é que a imagem é uma paródia do cartaz de ‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar‘.

Confira e compare:

     

“Dei uma passada na Mansão Xavier. Era um grande surpresa. Não tinha ninguém em casa.”, diz a legenda.

As primeiras cenas estão sendo filmadas no Castelo Hatley, mesma locação que serviu como cenário para a Mansão Xavier nos filmes da franquia ‘X-Men‘.

Algumas cenas serão filmadas nos mesmos locais que foram usados como a base de operações e o centro do treinamento dos X-Men.

O site afirma que outro mutantes conhecidos deverão fazer participações especiais.

A sequência estrelada por Ryan Reynolds chega aos cinemas nacionais dia 31 de Maio de 2018, um dia antes da estreia nos EUA.

Encontramos VÁRIAS REFERÊNCIAS no teaser-trailer de ‘Deadpool 2’

Deadpool 2‘ foi reescrito por Drew Goddard (‘O Segredo da Cabana’, ‘Perdido em Marte’) e  Ryan Reynolds. Eles trabalharam em cima do roteiro escrito por Rhett Reese e Paul Wernick, roteiristas do primeiro filme.

Josh Brolin vive o Cable.

O diretor por trás de ‘Deadpool 2’ será David Leitch, escolhido em uma lista que contou com nomes de Rupert Sanders, Drew Goddard e Magnus Martens. O mais recente trabalho de Leitch foi o sucesso de bilheteria ‘John Wick: Um Novo Dia Para Matar’.

Cena pós-créditos de ‘Logan’ pode ser um teaser de ‘Deadpool 2’ 

Crítica | Deadpool 

Crítica | A Múmia:

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

O diretor e roteirista Christopher McQuarrie divulgou uma nova imagem dos bastidores de ‘Missão Impossível 6‘.

A foto reúne as protagonistas femininas da produção: Vanessa Kirby, Angela Bassett, Rebecca Ferguson e Michelle Monaghan.

Monaghan volta como Julia Meade – esposa do personagem de Cruise. Ela apareceu no terceiro e quarto filme. Como o diretor já havia adiantado, o sexto filme trará uma grande jornada emocional para Ethan Hunt.

Confira fotos:

     

O elenco conta com o retorno de Tom Cruise, Rebecca Ferguson, Simon Pegg e Alec Baldwin.

A estreia acontece dia 27 de julho de 2018.

Crítica | A Múmia:

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

O nome de Stephen King voltou a ser muito comentado ultimamente por conta da aguardada adaptação de ‘A Torre Negra’ e do remake do clássico do terror ‘It – A Coisa’. No entanto, todo cinéfilo sabe que a adaptação de suas obras para o cinema não é nenhuma novidade e já nos presenteou com grandes clássicos da sétima arte. Em honra a isto, decidimos fazer uma lista com as 5 melhores adaptações de Stephen King para o cinema.

Trailer e pôster de ‘A Good Marriage’, terror escrito por Stephen King

‘O Nevoeiro’ ganhará série de TV

A vasta e produtiva carreira de Stephen King já rendeu mais de 50 livros e 350 milhões de cópias vendidas, algo simplesmente impressionante. Desde o começo, seus livros foram alvo de adaptações para Hollywood e desde então já tivemos inúmeros filmes baseados em seus livros e histórias. Portanto, a tarefa de escolher apenas 5 é quase impossível e certamente teremos que excluir nomes que estariam em outras listas de melhores filmes. Independentemente disto, é uma ótima chance para homenagear e celebrar a obra deste gênio que tanto já fez e ainda faz pela literatura de ficção e, consequentemente, pelo cinema.

     

Desta forma, fique à vontade para comentar nossas escolhas e sugerir outras adaptações que estariam na sua lista.

 

5. Carrie (1976)

Pela abertura da lista já dá para perceber o calibre dos escolhidos. Dirigido pelo mestre Brian De Palma e estrelado por Sissy Spacek inspiradíssima, esta obra-prima do terror assombrou o cinema na década de 70 com a história de uma adolescente portadora de poderes sobrenaturais e que explode em fúria diante do abuso de seus colegas. O curioso é pensar que este foi o primeiro livro de Stephen King e já possibilitou que ele tivesse seu talento reconhecido e desejado pelo cinema. Um “remake” foi feito em 2013, mas ao meu ver não chegou nem aos pés deste clássico, apesar do esforço da jovem e talentosa Chloë Grace Moretz e da performance assustadora de Julianne Moore como sua mãe fanática. Se você ainda não assistiu o longa de 1976, não perca a chance de experimentar um dos melhores filmes de terror do cinema.

 

4. Conta Comigo (1986)

Mudando para uma temática um pouco mais leve, este belíssimo filme que transpira a mágica do cinema dos anos 80 nos encantou com sua história de amadurecimento e amizade ao mostrar um grupo de garotos que parte em uma aventura para encontrar o corpo de um menino desaparecido. Contando com um elenco talentoso e carismático, este longa se transformou em um dos grandes clássicos do gênero. Se você gostou da “vibe” de Stranger Things não perca a oportunidade de ver este filme que sem dúvidas inspirou seus criadores e marcou uma geração.

 

3. À Espera de Um Milagre (1999)

No final da década de 90 fomos agraciados com esta joia do cinema na qual o diretor Frank Darabont adaptou mais uma vez uma obra de Stephen King e nos presenteou com a tocante história de um corredor da morte que é transformado por um detento que possui uma habilidade muito especial. Além de um Tom Hanks em seu auge, temos também o saudoso e carismático Michael Clarke Duncan nos entregando a melhor atuação de sua carreira e criando um personagem inesquecível. Um filme ao mesmo tempo leve e carregado de emoção que irá ao menos marejar os olhos dos mais durões.

 

2. O Iluminado (1980)

Já pensou o resultado de juntar o material criativo e único de Stephen King com a genialidade artística da lenda Stanley Kubrick? Pois é, em 1980 tivemos uma amostra dessa mistura através de um filme que arrebatou a crítica e o público e é considerado por muitos o melhor filme de terror de todos os tempos. A atuação completamente surtada de Jack Nicholson é um marco do gênero e um dos pontos altos de sua brilhante carreira. Porém, nem todos sabem que Stephen King simplesmente odeia este filme por achar que a transformação do protagonista para o lado do mal foi muito apressada e sem motivação, diferentemente do seu livro. Tanto que ele bancou e roteirizou uma minissérie de três episódios em 1997 visando fazer justiça à sua obra. No entanto, apesar da “birra” de Stephen King, este filme continua como um clássico do gênero e do cinema como um todo e por isso é completamente merecedor deste lugar de destaque na lista.

 

1. Um Sonho de Liberdade (1994)

Mesmo que esta escolha não seja nenhuma surpresa, ao meu ver não poderia ser diferente. Esta obra-prima da sétima arte é um clássico absoluto e já há algum tempo detém a “coroa” como o melhor filme no IMDb. Apesar de sua reputação atual, o curioso é que este filme de Frank Darabont teve recepção morna de crítica e público na época de seu lançamento e sequer ganhou um Oscar, perdendo o de melhor filme para ‘Forrest Gump’. Tudo bem que a concorrência era pesada (inclusive com Pulp Fiction na parada), mas isto prova que a justiça pode tardar, mas não falha. Os bons filmes conseguem superar o preconceito ou a visão turva de uma época e transcender o tempo para receberem seu devido mérito. Foi o caso deste filme que é muito mais do que a melhor adaptação de uma obra de Stephen King para o cinema, é um filme que deveria fazer parte dos pré-requisitos de qualquer pessoa que se considera amante da sétima arte.

Crítica | A Múmia:

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

Aproveitando o recém lançado teaser-trailer de ‘A Bela e A Fera‘, e a popularização cada vez maior dos filmes baseados em contos de fadas (que vêm se tornando um subgênero), resolvemos formular uma lista com produções do tipo para você conhecer ou relembrar. Selecionamos não apenas as versões em live action (com atores de carne e osso) de contos famosos, mas também algumas obras que talvez nem todos saibam ter sido baseadas em tais histórias clássicas. Então, prepare a pipoca e confira a lista.

Disney confirma ‘Malévola 2’, com Angelina Jolie 

Cinderela

CinePOP Cinderela

Essa é fácil. Mais óbvio impossível. A Disney nada mais fez do que pegou sua icônica animação de 1950, baseada no texto do francês Charles Perrault (1628 – 1703), e transformou num filme de carne e osso, sem mudar uma só vírgula. É o que muitos acusam. Os valores antigos, ou seja, encontrar um príncipe encantado, são mantidos, o que decepcionou parte dos críticos. Seja como for, o filme agradou e fez sucesso. A animação ganhou 3 Oscar, enquanto a nova versão recebeu apenas uma indicação. O verdadeiro chamariz aqui é o visual. Na parte das atuações, Lily James tenta dar carisma como a protagonista, e a quase sempre excelente Cate Blanchett vive a madrasta.

     

João e Maria – Caçadores de Bruxas

CinePOP João e Maria

Na época de seu lançamento em 2013, fui um dos poucos defensores desta produção, taxada pela maioria como um dos pontos baixos de seu respectivo ano. Não há como negar que este é um filme ruim, a diferença é que acho que esta era a intenção. Creio muito no teor trash proposital do filme, mesmo contando com um orçamento maior do que produções assim geralmente recebem. Aqui, temos excesso de sangue, violência, nudez, cenas explícitas, muitos animatronicos, maquiagem (o que é muito legal e uma grande referência aos anos 1980), e muito humor (como a tiração de sarro com o ogro Edward – bem no auge da popularidade de Crepúsculo). Os atores se divertem em cena e podemos sentir este clima. A direção e roteiro são do norueguês Tommy Wirkola (em cima do conto clássico dos irmãos Grimm), que bolou a história de João e Maria crescidos, combatendo as bruxas que os aterrorizaram na infância, ainda garoto e a guardou para o futuro. Para finalizar, um desejo: continuação, por favor.

A Bela e a Fera

A versão moderna de A Bela e a Fera é dirigida por Bill Condon, talentoso cineasta responsável por obras cinematográficas de bastante qualidade, vide Deuses e Monstros (1998), Kinsey: Vamos Falar de Sexo (2004), Dreamgirls: Em Busca de um Sonho (2006) e Sr. Sherlock Holmes (2015). A magia contida durante a projeção é inegável e incontrolável, apelando não só para a nostalgia, mas para a paixão de quem ama verdadeiramente todos os componentes necessários de uma obra cinematográfica.

As atuações são satisfatórias. Emma Watson é uma Bela eficiente, se comportando um pouco como a Hermione crescida (e não é exatamente o que a Bela é?), a atriz dá seu recado apesar de não conseguir atingir totalmente o brilho esperado no papel. Quem menos se destaca é Dan Stevens, se saindo melhor como a criatura do que em sua forma humana. Já o elenco de apoio – que conta com nomes como Ewan McGregor, Ian McKellen, Emma Thompson, Kevin Kline e Josh Gad – transborda carisma. No entanto, o rouba cenas do longa se chama Luke Evans, na pele do vilão Gaston.

Malévola

CinePOP Malévola

Dividindo opiniões, esta produção foi totalmente bancada pela musa Angelina Jolie, a maior estrela do cinema de Hollywood hoje. Além de produzir e estrelar, Jolie vendeu o projeto como ninguém, afirmando ser a animação da Disney, A Bela Adormecida (1959), um de seus filmes preferidos na infância. Ou seja, este foi um trabalho muito pessoal para a atriz. Se deu certo ou não, depende para quem você pergunte. O fato é que a obra fez sucesso, se tornando a quarta maior bilheteria de 2014 e uma sequência, com a própria Jolie, acaba de ser confirmada. O sucesso serviu para cimentar filmes do tipo, contos de fada live action, no gosto popular como um dos gêneros mais rentáveis atualmente. O diferencial aqui está na forma de contar a história muito conhecida da Bela Adormecida, desta vez, através dos olhos da vilã Malévola (Jolie). O erro: transformar a vilã em boazinha. Jolie não aparecia num longa desde O Turista (2010), e depois deste filme só retornou a aparecer na telona em À Beira Mar, drama no qual também foi a diretora.

Beleza Adormecida

CinePOP Beleza Adormecida

Já que o assunto é A Bela Adormecida, conto original do mesmo Charles Perrault (Cinderela), trazemos na lista uma adaptação verdadeiramente polêmica e controversa. Nada de apresentar este filme para crianças, espere para que façam ao menos 16 anos. Esta, pode-se dizer, é a versão proibida de A Bela Adormecida, trazida para nós pela cineasta Julia Leigh. Uma adaptação livre do conto clássico, a cineasta (que também assina o roteiro) subverte a trama, trazendo tudo para os dias atuais e mesclando forte teor sexual. Quase um conto erótico do submundo, Beleza Adormecida conta a história de Lucy (Emily Browning), universitária que adere a um trabalho no mínimo incomum. Ela é sedada e permanece inconsciente, sem saber o que fazem com seu corpo durante tal período de hibernação, numa casa de luxo para membros do alto escalão da sociedade. Este é um filme inquietante.

Floresta Negra

CinePOP Floresta Negra

Mais uma vez retornando para um conto dos irmãos Grimm, aqui é Branca de Neve quem ganha um tratamento mais sombrio. Antes de Julia Roberts em Espelho, Espelho Meu e Charlize Theron em Branca de Neve e o Caçador, a Bruxa Má era vivida pela veterana Sigourney Weaver nesta produção de 1997. Classificado como um filme de terror, Floresta Negra traz a história da família Hoffman, mudando assim os personagens da trama clássica. Mas as mudanças param por aí, já que a época retratada é a mesma, assim como as situações. A jovem Monica Keena vive Lilli Hoffman, a heroína sofredora, na mira de Claudia Hoffman (Weaver), sua madrasta que deseja eliminá-la do mundo. Espelhos mágicos, feitiçaria, traições e todo tipo de terror (como a transformação da bruxa numa mulher idosa – Lady Melisandre, alguém?) se encontram presentes nesta adaptação.

Para Sempre Cinderela

CinePOP Para Sempre Cinderela

Um ano depois de Floresta Negra, em 1998, chegava esta versão da Fox para o conto clássico da Cinderela. Ao contrário da recente produção que abriu este texto, a proposta de Para Sempre Cinderela era humanizar a história, trazendo tudo para “o mundo real”. A época e a história são as mesmas, no entanto, este filme, encabeçado por Drew Barrymore como a personagem título, não possui muito espaço para magia. Barrymore vive Danielle, uma jovem humilde, maltratada pela madrasta Rodmilla (Anjelica Huston). O teor mais sóbrio, sem animais falantes, agradou, transformando o filme em sucesso.

Uma Linda Mulher

CinePOP Uma Linda Mulher

Ainda falando de Cinderela, temos uma versão um pouco diferente deste conto (já são três somente nesta lista). Mais uma adaptação livre do conto clássico, Uma Linda Mulher narra mais uma vez a história da pobre sofredora esperando o príncipe encantado, para a seu lado se tornar uma princesa. Aqui, o diretor Garry Marshall subverte bastante tornando a protagonista uma prostituta de rua em plena Califórnia. Seu príncipe é um rico empresário, que se apaixona por ela (papel de Richard Gere). Este foi o filme que catapultou a carreira de Julia Roberts, a jogando para o estrelato, e se tornou um dos maiores sucesso da primeira metade da década de 1990.

A Companhia dos Lobos

CinePOP A Companhia dos Lobos

Que A Garota da Capa Vermelha nada. Esqueça a versão de Catherine Hardwicke (Crepúsculo), com Amanda Seyfried, para a história Chapeuzinho Vermelho, publicada originalmente por Charles Perrault e depois pelos irmãos Grimm. O Irlandês Neil Jordan (Entrevista com o Vampiro) é quem comanda esta versão subversiva e igualmente considerada um terror. Mais próxima dos contos de fadas originais, que eram sombrios e muito mais assustadores, criaturas meio humanas, meio lobo, assombram os pesadelos de uma jovem mulher, após esta cair no sono lendo uma revista. A Companhia dos Lobos foi produzido em 1984, então espere todo tipo de efeito prático da época, considerados por muitos o melhor jeito de criar momentos realmente tenebrosos.

O Labirinto do Fauno

CinePOP Labirinto do Fauno

Faunos, fadas e todo tipo de criatura mitológica dão as caras neste conto assustador do mexicano Guillermo del Toro. O diretor é um especialista em criaturas visualmente incríveis e aqui pôde deixar sua imaginação correr solta. O interessante desta produção, que é o filme mais prestigiado da lista, tendo vencido 3 Oscar e constando como número 126 na lista dos melhores filmes de todos os tempos, é o fato do cineasta mesclar em sua trama a fantasia de um conto de fadas com um drama real envolvendo a revolução espanhola de 1944. Realidade e ficção se intercalam nessa obra-prima, cujo horror da realidade é constantemente maior do que o do mundo fantástico.

 

Bônus:

A Bela e a Fera

CinePOP Bela e a Fera

Esta também é batata. Antes da versão live action da Disney, com Emma Watson, chegar aos cinemas, tivemos em 2014 uma versão francesa do conto. O que é apropriado já que o criador da obra é o conterrâneo Jeanne-Marie Leprince de Beaumont. Aqui é a musa parisiense Léa Seydoux quem personifica a protagonista Bela, a ingênua, doce e independente mocinha da história. Levada a um castelo, ela precisará aprender a amar uma criatura monstruosa, com formas bestiais, encontrando a humanidade do ser que uma vez foi um príncipe (papel de Vincent Cassel). Após um ato cruel, uma maldição é jogada nele. Uma curiosidade é que a animação homônima da Disney, de 1991, foi a primeira do gênero a ser indicada na categoria principal de melhor filme no Oscar, competindo com dramas sérios, numa época em que apenas cinco produções recebiam tal prestígio. A versão francesa realizou um competente trabalho, mesclando fantasia, criaturas geradas por efeitos especiais (o que dá certa magnitude à obra) e gravidade de atos verdadeiramente dramáticos.

Crítica | A Múmia:

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

Ah, como é gostoso levar nossos leitores para uma sessão gratuita de cinema, com direito a PIPOCA e REFRIGERANTE de graça…

Vamos levar leitores do site + acompanhante para a pré-estreia do suspense ‘O Círculo‘ (The Circle), estrelado por Tom Hanks (‘Capitão Phillips’), Emma Watson (‘Harry Potter’).

Os primeiros que pedirem o convite poderão conferir o filme conosco em uma sala de cinema maravilhosa, mas corra – os ingressos são limitados.

É OBRIGATÓRIO curtir a página do CinePOP no Facebook .

     

[ATUALIZADO] Os nomes dos vencedores foram divulgados. Se seu nome estiver abaixo, cheque seu e-mail para conferir a data e o local da pré-estreia.

Adenilson Porto
Alessandra Araujo
Álison Freire
Ana oh
Ana Paula Limírio de Moraes
Andréia Inoue
Andrezza Dalpicolo
Binho silva
Bruno Barros
Carolina Alvarenga
Cassio Pereira
Cauê Vinícius
Cintia Pereira
Dani Baquette
Daniel Lopes Machado
Daniela Goncalves
Davi Krasilchik
Davis Reimberg
Osasco Gamer
Elaine Silva
Evelin Barboza
Fabi santos
Fabiano Correa
Fábio Martins Ramos
Felipe Nascimento
Gabriel Bellussi
Gabriel Atib
Georgenor Franco
Gustavo Kolonko
Haline Torres
Hosana Gabriela
Ivan Santos da Silva
Jaqueline Freitas
jéssica Cabral
Jessica Villas Boas
Juaci da Silva Junior
JÚLIO CÉSAR
Junior Gomes
Jurandir Vicari
Karina Yamawaki
kelly cristina
Leandro Smithnianos
Luís Felipe Orneles Ferreira
Luiz Rocky
Marcos Antonio Janolli Sanchez
Maria Inez Aranha
Mônica Marques
Monique Kubo
Neide Aparecida
Patrick Yves
Paula Andressa
Paula Mendonça
Paulo Guilherme Ferreira Machado
Paulo Raposo
Pocahontas
Rafael Serrato
Ratassaro Newbiew
Regina alves Sousa lima
Rejane
Renato silva
Ricardo Michilizzi
Ronei Costa
Rosana Aparecida Teixeira da Siva
Sandra G Pereira
Sandro Furtado
Susy Mary
Talita Zanelli
Thais Freire
Thais Santiago da Costa
Tiago Souza
Valter Roberto Santos de Campos
WALTER LUNA
wendel nascimento
William Teixeira

Mae (Emma Watson) é uma universitária cujo sonho é trabalhar na maior empresa de tecnologia do mundo, O Círculo. A organização foi fundada por Eamon Bailey (Tom Hanks) e o seu principal produto é o SeeChange, uma pequena câmera que permite aos usuários compartilharem detalhes de suas vidas com o mundo. Mae vê sua vida mudar completamente quando é contratada pela empresa e sua função passa a ser documentar sua vida em tempo integral. O que ela não imaginava, no entanto, é que toda essa exposição teria um preço, não só para ela, mas também para todos ao seu redor.

James Ponsoldt (O Maravilhoso Agora) roteirizou e dirige.

Tom Hanks (‘Capitão Phillips’), Emma Watson (‘Harry Potter’), Karen Gillan, Patton OswaltBill Paxton estrelam. John Boyega, que em breve será visto como Finn em ‘Star Wars – O Despertar da Força‘, completa o elenco.

Crítica | A Múmia:

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «