O Brazilian TV Producers (BTVP), programa de exportação da Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão (ABPITV), em parceria com a Apex-Brasil, trará ao Brasil o Mediamorfosis, evento originalmente criado na Argentina, que debaterá o impacto das novas tecnologias no modo de produzir e consumir conteúdo e as transformações da mídia. O encontro conta com o apoio da Spcine e acontecerá nos dias 13 e 14 de agosto, na Praça das Artes, em São Paulo. A iniciativa faz parte de uma série de ações do BTVP no intuito de ampliar seu escopo de atuação, abrangendo assuntos que vão além da produção exclusivamente para a televisão.

Entre os palestrantes confirmados para o evento, estão o artista multimídia Oscar Raby, que utiliza realidade virtual em suas obras; a especialista em tendências e fundadora da consultoria The Overworld, Paula Zuccotti; e David Varela, produtor de projetos interativos que reúnem jogos, teatros e vídeos. Participam também como painelistas, Liz Rosenthal, pioneira da narrativa transmídia e CEO do Power to the Pixel; Jaime Tenorio, consultor de conteúdos convergentes para Telesur, assessor do Ministério de Tecnologias da Informação e Comunicações no eixo transmídia da Colômbia 3.0 e diretor do canal Señal Colombia; Mark Atkin, diretor da Crossover Labs do Sheffield Doc/Fest; Damian Kirzner, produtor de TV, criador e diretor do Mediamorfosis; Adam Sigel, escritor, produtor e estrategista de conteúdo; o filósofo Darío Sztajnzrajber, comentarista em vários programas de rádio e jornais argentinos; e Alfonso Amat, cujos aplicativos somam mais de 2 milhões de acessos e mais de 200 milhões de minutos de uso.

Os palestrantes participarão também do Mediamorfosis na Argentina, que acontece nos dias 10 e 11 de agosto, e no Uruguai, no dia 17 de agosto. As inscrições podem ser feitas pelo site br.mediamorfosis.net.

A ANCINE e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) divulgaram o resultado final da Chamada Pública PRODAV 06/2013-2014 – Sistema de Suporte Financeiro Automático, do Programa Brasil de Todas as Telas. A inovadora linha entrou em operação em julho de 2014, disponibilizando R$ 70 milhões com um mecanismo que premia empresas produtoras, distribuidoras e programadoras brasileiras independentes em razão de seu desempenho comercial. Os recursos recebidos deverão ser investidos na produção de novos conteúdos brasileiros para cinema e televisão.

Os mecanismos automáticos fazem parte de um modelo internacional de financiamento público à produção audiovisual. O modelo consiste na valorização do mérito das produtoras, distribuidoras e programadoras pelos resultados conquistados, permitindo que indiquem novos projetos a serem apoiados. Desta forma, as empresas têm a possibilidade de planejar suas atividades e parcerias com mais consistência.

O Suporte Automático do Programa Brasil de Todas as Telas foi estruturado em três módulos (produção, distribuição e programação). No módulo de distribuição, no qual os titulares das contas automáticas são distribuidoras brasileiras que atuem no mercado de salas de exibição, R$ 20 milhões serão compartilhados entre três empresas. A Downtown e a Paris Filmes, principais distribuidoras de filmes nacionais, receberão, respectivamente, com R$ 9,1 milhões e R$ 8,5 milhões. As duas empresas foram responsáveis por 59% de toda a renda dos títulos nacionais exibidos no país em 2014, de acordo com o Informe de Acompanhamento de Mercado do Observatório do Cinema e do Audiovisual da ANCINE. A terceira distribuidora contemplada foi a Vitrine Filmes. Responsável pelo lançamento de títulos como “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro, e “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho, a produtora ficará com R$ 2,2 milhões.

No módulo produção, em que os titulares são produtoras brasileiras independentes, um total de 22 empresas vai dividir o valor de R$ 35 milhões. Responsável pelos sucessos de bilheteria “De Pernas pro Ar” e “De Pernas pro Ar 2”, de Roberto Santucci, a Morena Filmes receberá R$ 5,7 milhões. Já a Migdal Filmes, que levou aos cinemas obras como “Minha Mãe É uma Peça”, de André Pellenz, filme brasileiro mais visto em 2013, e à tela da TV séries como “As Canalhas”, exibida pelo canal GNT, fará jus a R$ 5,1 milhões. Em terceiro lugar, recebendo R$ 4,6 milhões, ficou a Conspiração Filmes.

Já pelo módulo de programação, criado para premiar as programadoras brasileiras de canais de televisão que mais investem na exibição de conteúdo nacional, quatro empresas receberão os R$ 15 milhões em recursos. A maior pontuação ficou com a Conceito A em Audiovisual, responsável pelo canal CINEBRASiLTV, que irá receber R$ 7,1 milhões, seguida pela Synapse Programadora de Canais, responsável pelo Canal Curta!, com R$ 5,4 milhões. Também foram contempladas as programadoras Newco Programadora e Produtora de Comunicação (canal Arte 1), com R$ 2,3 milhões, e PBI-Programadora Brasileira Independente (canal Fashion TV Brasil), com R$ 69 mil.

Como funciona o Sistema de Suporte Automático

Cada empresa – produtora, programadora de TV aberta ou por assinatura e distribuidora de filmes e documentários para salas de cinema – dispõe de uma conta automática, onde são catalogados os pontos relativos ao seu desempenho ou prática comercial: receitas de bilheteria e licenciamentos de obras. Na contabilização desses pontos, são valorizadas ainda algumas características da obra, como a localização da produtora e o retorno financeiro anterior ao FSA.

Para pontuarem no sistema, as obras devem ser classificadas como conteúdo audiovisual brasileiro independente apto a constituir espaço qualificado nas grades de programação dos canais de TV; dispor de Certificado de Produto Brasileiro (CPB) emitido há menos de sete anos; dispor de Certificado de Registro de Título (CRT) emitido e ter sido comercializada ou licenciada nos dois anos anteriores; e estar com informações atualizadas nos sistemas de dados da ANCINE.

A pontuação de cada empresa é então convertida em valores financeiros, segundo parâmetros estabelecidos pelo Comitê Gestor do FSA. Os recursos ficam então disponíveis por até 2 anos para investimento em projetos de produção independente a serem indicados e selecionados pelas próprias empresas. São elegíveis projetos de produção de longas-metragens, telefilmes e obras seriadas de ficção, animação e documentário.

Confira abaixo os contemplados na Chamada Pública PRODAV 06/2013-2014 – Sistema de Suporte Financeiro Automático:

Distribuidoras:

Downtown Filmes (R$ 9,1 milhões); Paris Filmes (8,5 milhões); Vitrine Filmes (R$ 2,2 milhões)

Produtoras:

Bananeira Filmes (R$ 1,1 milhão); Bossa Nova Films (R$ 326 mil); BSB Serviços Cinegroup (R$ 276 mil); Busca Vida Filmes e Produções Eirelli (R$ 573 mil); Casé Filmes (R$ 2,8 milhões); Conspiração Filmes (R$ 4,6 milhões); Gioconda Produções Artísticas e Edições Culturais (R$ 1,1 milhão); Glaz (R$ 771 mil); Gullane (R$ 3,4 milhões); Migdal (R$ 5,1 milhões); Morena Filmes (R$ 5,7 milhões); Na Laje Filmes (R$ 1,2 milhões); Neoplastique Entretenimento (R$ 211 mil); O2 Cinema (77 mil); Olhar Imaginário (R$ 318 mil); Primo Filmes (R$ 7 mil); Sombumbo Filmes (R$ 71 mil); Soul Filmes (R$ 1,1 milhão); Tortuga Studios (R$ 269 mil); Truque (R$ 214 mil); TV Zero (R$ 1,9 milhões); Write Produções Artísticas (R$ 3,1 milhões)

Programadoras:

Conceito A em Audiovisual (R$ 7,1 milhões); Newco Programadora e Produtora de Comunicação (R$ 2,3 milhões); PBI – Programadora Brasileira Independente (R$ 69 mil); Synapse Programadora de Canais de TV (R$ 5, 4 milhões).

Às terças-feiras dos meses de julho e agosto, o Sesc Pinheiros, em São Paulo, exibe uma seleção dos principais títulos da cinematografia de Akira Kurosawa (1910-1998), cineasta japonês reverenciado, cultuado e copiado por realizadores da Europa e da América, e criador de mais de 30 filmes, entre eles, títulos vencedores de prêmios como o Oscar, o Leão e a Palma de Ouro.

Realizadas no contexto do projeto Tela Clássica – dedicado à memória e à obra dos cineastas mais representativos da história do cinema mundial –, as sessões são gratuitas e complementadas pelo curso “Kurosawa, o Mais Ocidental dos Cineastas Orientais” (inscrições de R$ 9,00 a R$ 30,00), em que o jornalista, professor e crítico de cinema Celso Sabadin apresentará no decorrer de quatro encontros a vida e obra do cineasta. Kurosawa era descendente direto de antigos samurais e desde pequeno demonstrou talento para a pintura e o desenho; estas aptidões levaram-no a um estilo cinematográfico único e a um apurado senso narrativo e estético.

Entre as obras selecionadas, estão “Os Sete Samurais”, “Dersu Uzala”, “Ran” e “Sonhos”.

 

Tela Clássica – Akira Kurosawa
Data:
terças-feiras de julho e agosto, sempre às 20h
Local: SESC Pinheiros – Auditório (3º andar do Sesc Pinheiros; capacidade: 98 lugares) – Endereço: Rua Paes Leme, 195
Entrada gratuita, com retirada de ingressos com uma hora de antecedência
Recomendação etária: acima de 14 anos
Estacionamento com manobrista: Terça a sexta, das 7h às 22h; Sábado, domingo, feriado, das 10h às 19h. Taxas / veículos e motos: Matriculados no Sesc: R$ 6,00 nas três primeiras horas e R$ 1,00 a cada hora adicional. Não matriculados no Sesc: R$ 8,00 nas três primeiras horas e R$2,00 a cada hora adicional.

Um dos mais antigos cinemas de rua gaúchos, o Cine Teatro Globo, volta a ser cenário para a difusão de curtas-metragens nacionais, na 2ª edição do Festival de Cinema de Três Passos, que acontece de 12 a 14 de novembro na cidade, na Região Noroeste do Rio Grande do Sul.

A programação, com entrada franca, é composta por Mostra Competitiva e Mostra Não Competitiva, bate-papos com cineastas e cerimônia de encerramento com premiações e exibição dos curtas vencedores. Os filmes concorrem em 17 categorias e o período de inscrições segue até 20 de agosto, pelo site www.cinematrespassos.com.br. Os vencedores receberão o Troféu Levy – nome dado em homenagem à família que fundou há 61 anos e até hoje administra o Cine Teatro Globo.

Com o slogan Ideias Vertentes, este ano, o júri técnico vai eleger, entre outras categorias, a melhor obra com a “Temática Ambiental – Água”. O tema se relaciona com a origem do nome da cidade, inicialmente chamada de Pouso dos Três Passos, por estar situada às margens de três nascentes. O evento também quer colocar em evidência a conscientização para o uso racional da água e a preservação de mananciais. Além de incentivar novas ideias, olhares e ações em favor do multiculturalismo, do desenvolvimento sociocultural e sustentável.

O projeto “5 Casas”, do artista e diretor Bruno Gularte Barreto, foi selecionado para receber o prêmio para desenvolvimento de projeto do IDFA Bertha Fund Classic edição Maio/2015. Único brasileiro dentre os 11 escolhidos, o projeto foi selecionado entre mais de 450 inscritos para receber o cobiçado fundo holandês associado ao IDFA – Festival Internacional de Documentários de Amsterdam.

O IDFA, conhecido por ser o maior e mais reconhecido evento dedicado aos documentários do mundo, através do Bertha Fund, incentiva realizadores com fundos para desenvolvimento, produção e pós-produção. Além do apoio financeiro, os projetos recebem consultoria e acompanhamento pela organização do fundo.

“5 Casas” é um trabalho de atualização das imagens das memórias de infância do diretor trabalhando com o conceito de autoficção através de um documentário poético. A produção é da Besouro Filmes, e o projeto, que compreende longa-metragem e uma série de instalações em foto e vídeo, está sendo desenvolvido juntamente ao processo de pesquisa que o autor desenvolve no mestrado em poéticas visuais do PPAGV-UFRGS.

Esta é a terceira conquista internacional da produtora Besouro Filmes que, através da sua sócia Jéssica Luz, conquistou o disputado fundo Hubert Bals, ligado ao Festival de Cinema Internacional de Rotterdam (IFFR), participou do renomado laboratório para cineastas e produtores criativos Binger Film Lab e agora vence o Bertha Fund com este novo projeto.