A Associação Brasileira de Críticos de Cinema, Abraccine, anunciou os ganhadores de seu quinto prêmio anual, relativo aos Melhores Filmes de 2015.

Na categoria Longa-Metragem, concorreram todos os 419 filmes, tanto brasileiros como estrangeiros, lançados em circuito comercial no Brasil, entre 18 de dezembro de 2014 e 10 de dezembro de 2015.

Na categoria Curta-Metragem, concorreram somente filmes brasileiros exibidos durante o ano de 2015 em mostras, festivais e demais eventos cinematográficos.

Os vencedores do Prêmio Abraccine 2015 foram:

MELHOR LONGA METRAGEM BRASILEIRO:

“Que Horas Ela Volta?”, de Anna Muylaert

MELHOR LONGA METRAGEM ESTRANGEIRO:

“Adeus à Linguagem”, de Jean-Luc Godard

MELHOR CURTA METRAGEM:

Quintal”, de André Novais

O British Council e a Riofilme, em parceria com o Sistema FIRJAN, o SICAV-RJ e a SEC-RJ – Secretaria de Estado de Cultura, concederão apoio para três profissionais residentes no Rio de Janeiro participarem do programa Archive Futures, realizado pelo British Film Institute (BFI), em Londres.

A ação visa promover capacitação em uma das instituições de referência em preservação de arquivos analógicos e digitais para filmes e demais conteúdos audiovisuais, o contato direto com profissionais especializados do BFI e na troca de conhecimento entre os demais participantes do programa.

O curso acontecerá em Londres de 22 a 24 de fevereiro. Os interessados devem ter comprovada experiência em preservação de arquivos de filmes, vídeos e demais conteúdos audiovisuais. As inscrições podem ser feitas até o dia 8 de janeiro, através do link http://transform.britishcouncil.org.br/pt-br/content/apoio-participacao-no-programa-archive-futures-regulamento.

Por Maria do Rosário Caetano, de João Pessoa (PB)

 

A décima edição do Festival Aruanda do Audiovisual Brasileiro terminou com plateia recorde, homenagem a Geraldo Vandré, exibição hors concours de “Chico, Artista Brasileiro”, de Miguel Faria Jr., e entrega dos troféus Aruanda aos melhores filmes e produções de TVs universitárias.

A sala vip do Complexo Cinépolis Manaíra, com capacidade para 500 pessoas, recebeu mais de 700 espectadores. O público queria ver a homenagem a Geraldo Vandré, que se fez acompanhar da exibição do programa “O Som do Vinil – Quarteto Novo”, de Charles Gavin e equipe do Canal Brasil, e prestigiar a première paraibana do documentário buarqueano.

O cantor e compositor  paraibano Geraldo Vandré foi aplaudido com imenso entusiasmo. Ao agradecer seu trofeu Aruanda especial contou que espera regressar a João Pessoa, em 2016, para mostrar, com a Orquestra Sinfônica do Estado, seus “Seis Novos Estudos para Piano”. Para tanto, vem mantendo entendimentos com o governador Ricardo Coutinho.

O produtor de “Chico, Artista Brasileiro”, Jorge Peregrino, que passou pelos quadros da Embrafilme e da UIP, apresentou, com entusiasmo, o filme de Miguel Faria Jr. Peregrino lembrou sua origem paraibana e a participação na produção de documentários que venceram o Fest Aruanda, como “Raul – O Fim, o Início e o Meio”, de Walter Carvalho, e “Cássia”, de Paulo Henrique Fontenelle.

A nota dissonante da noite foi a entrega dos troféus Aruanda, que ocorreu em clima de exasperação. À meia-noite, a sala vip do Cinépolis Manaíra ocuparia sua tela gigantesca com a exibição do novo “Guerra das Estrelas”. O jeito, então, foi anunciar os prêmios em velocidade de Fórmula Um, sem que os laureados pudessem ao menos dizer “muito obrigado”. Lá fora, jovens fantasiados aguardavam a sessão do blockbuster norte-americano. O cinema brasileiro perdia, ali, mais uma batalha. Mas a parceria do Fest Aruanda com a Rede Cinépolis deu ótimos resultados. A projeção foi de altíssima qualidade (apesar da quantidade de materiais exibidos, de pequenas publicidades a longas-metragens, passando por programas de TV, como “O Som do Vinil”, e diversos curtas-metragens). E o público compareceu em número expressivo durante sete noites, registrando três superlotações (com “Chatô”, de Guilherme Fontes, “Nise, o Coração da Loucura”, de Roberto Berliner, que ganhou sessão extra, e “Chico, Artista Brasileiro”).

Na noite de premiação, houve surpresa. O filme favorito era o paranaense “Para minha Amada Morta”, de Aly Muritiba. Mas o escolhido (pelo júri formado pelos professores da UFPB Fernando Trevas e Bertrand Lira e pelo cineasta pernambucano Marcos Enrique Lopes), foi o “azarão” baiano “Travessia”, de João Gabriel, protagonizado por Chico Diaz (que derrotou Fernando Alves Pinto, também excelente em “Para minha Amada Morta”). Mas o trabalho de Diaz é tão bom quanto o de Fernando.

Na concorridíssima categoria “melhor atriz”, a vencedora foi Virgínia Cavendish, protagonista absoluta (e produtora) de “Através da Sombra”, adaptação aclimatada ao Brasil de “A Volta do Parafuso”,  de Henry James, comandada pelo experiente Walter Lima Jr. Virgínia enfrentou time de concorrentes de peso: Glória Pires, na pele da Doutora Nise da Silveira, Círia Coentro, em “Travessia”, Marjorie Estiano, em “Garoto”, e a paraibana Mayana Neiva, em “Para minha Amada Morta”. Recebeu seu troféu Aruanda sob muitos aplausos.

Curtas paranaenses receberam importantes troféus Aruanda, incluindo o de melhor filme. Mas quem mais aplausos recebeu foi o jovem Edi Júnior, realizador de Catolé do Rocha, sertão da Paraíba, por seu documentário “Praça de Guerra”. O filme reconstitui, com muito humor, a história de cinco jovens sonhadores (um deles, o hoje ativista social, Gegê, irmão do cantor Chico César), que planejaram implantar foco guerrilheiro de molde guevarista em Catolé e por isto foram presos. Primeiro, por “subversão”, depois, por “atentado à moral e aos bons costumes” (fumavam maconha e posavam nus em performances nas matas da cidade sertaneja).

Depois da correria da premiação-relâmpago, os artistas foram comemorar em um enorme restaurante na Praia do Cabo Branco. E muitos cumprimentaram os laureados, em especial, a pernambucana Virgínia Cavendish e o baiano João Gabriel, evocando frase pintada num barco e registrada numa das sequências de “Travessia”: “Sangue de Cristo tem dendê”. Isto é a Bahia! Isto é Salvador, metrópole nordestina que ambienta os conflitos entre pai (Chico Diaz) e filho (Caio Castro), ponto de partida de “Travessia”.

Confira abaixo a lista completa dos premiados:

LONGA-METRAGEM:

“Travessia” (Bahia) – melhor filme (Prêmio Mystica), ator (Chico Diaz), montagem (Lillah Halla e João Gabriel)
“Para Minha Amada Morta” (Paraná) – melhor diretor (Aly Muritiba),  roteiro (Aly Muritiba)
“Através da Sombra” (Rio) – melhor atriz (Virgínia Cavendish), melhor fotografia (Pedro Farkas)
“Nise, o Coração da Loucura” (Rio) – melhor filme pelo Juri Popular, melhor direção de arte (Daniel Flaksman), trilha sonora (Jacques Morelembaum)
“Invólucro” (Pernambuco) – Prêmio Especial do Juri, Prêmio da Crítica
“Garoto”  (Rio) – melhor som (Uerlem Queiroz)

CURTA-METRAGEM:

“Tereza” (Paraná) – melhor curta, melhor roteiro (Maurício Biaggio)
“Santa Rosa” (Paraíba) – melhor direção (João Paulo Palitot), melhor ator ( Bertrand Araújo)
“Praça de Guerra” (Paraíba) – melhor curta paraibano, Prêmio Banco do Nordeste (melhor filme de temática nordestina), Prêmio Mystica, Prêmio da Crítica
“Sinaleiro” (São Paulo) – melhor fotografia (Jacob Solitrenik), montagem (Daniel Augusto)
“O Fim do Verão” (Paraná) – melhor atriz (Natalia Moraes)
“O Terceiro Prato” (Paraíba) – melhor trilha sonora (David Neves, Seu Pereira e Coletivo 401)

TV UNIVERSITÁRIA:

Melhor programa de TV: “Os Profissionais 22 – Cibercrimes, Qualidade de Vida e Erros se Português”, da TV Mackenzie, de São Paulo
Melhor documentário: “Baque Chamou”, da TV Unaerpe, de Ribeirão Preto-SP
Melhor interprograma: “Fotogramas do Rio – Evandro Teixeira”, da TV PUC do Rio de Janeiro
Melhor reportagem: “Invisíveis das Ruas para as Ruas”, da TV Mackenzie, de Anápolis, Goiás

A ANCINE e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) anunciaram, nesta sexta-feira, 18 de dezembro, uma nova leva de investimentos em projetos audiovisuais incluídos em propostas de programação inscritas em chamadas públicas do Programa Brasil de Todas as Telas que funcionam em fluxo contínuo.

A maior parte dos investimentos anunciados dizem respeito à Chamada Pública PRODAV 02/2013. Pela chamada, programadoras de televisão solicitam recursos para investimento em obras audiovisuais de produção independente pré-selecionadas pelas próprias empresas programadoras. Foram contemplados quatro propostas de programação apresentados pela PBI – Programadora Brasileira Independente para compor a grade de seus canais Prime Box Brazil, Fashion TV Brazil, Travel Box Brazil e Music Box Brazil.

A operação, que representa um investimento de R$ 10 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), vai investir na produção de um total de 36 novas séries de TV que terão a primeira exibição nestes canais. Na Chamada Pública PRODAV 02/2013, as programadoras são as proponentes, mas os investimentos do Programa Brasil de Todas as Telas são contratados diretamente com as produtoras independentes, na modalidade participação em projeto.

Também foram anunciados nesta quinta-feira investimentos em projetos inscritos em duas outras chamadas públicas. Pelo PRODAV 01/2013, foi contemplada a série documental “Quilombo dos Palmares”, que terá seus cinco episódios exibidos pelo canal Curta! Já pelo PRODECINE 04/2013, que oferece recursos para a complementação da produção, foi selecionado o longa-metragem “Desertos”, da Bananeira Filmes.

Confira abaixo mais informações sobre os projetos contemplados:

PRODAV 02/2013

Projeto: Projeto de Programação Prime Box Brazil 2014/01
Proponente: PBI – Programadora Brasileira Independente
Valor investido pelo FSA: R$ 6 milhões
Projetos selecionados pelo canal Prime Box Brazil que receberão investimentos do FSA:
“Liberto”, da Santa Produção de Filmes (RS) – série de ficção com 6 episódios
“Cinema em Transe”, da H.L. Produtora de Filmes (SP) – série documental com 13 episódios
“Na Rede Br.”, da Bit Filmes – série documental com 10 episódios
“Guerreiros da selva”, da Lighthouse Produções Cinematográficas (SP) – série documental com 13 episódios
“Cinema diversidade”, da Cigano Filmes (SP) – série documental com 10 episódios
“Imaginários”, da Spectrus Vídeo e Mídia (SP) – série documental com 13 episódios
“Por trás das câmeras”, da Spectrus Vídeo e Mídia (SP) – série documental com 13 episódios
“Pela fechadura”, da DDK Digital (RJ) – série de ficção com 13 episódios
“Papricast”, da Turning Point Produções (RS) – série documental com 26 episódios
“Necrópoles”, da Lockheart Filmes (BA) – série de ficção com 8 episódios
“Cine Barato”, da Truque Produtora de Cinema, TV e Vídeo (BA) – série documental com 13 episódios
“Banalidade do mal”, de Alfredo Soares de Barros (RS) – série de ficção com 6 episódios
“Paralelo 30″, da Panda Filmes (RS) – série de ficção com 6 episódios
“Proibido para maiores”, da Atama Filmes (RS) – série de ficção com 8 episódios

Projeto: Projeto de Programação Fashion TV Box Brazil 2014/01
Proponente: PBI – Programadora Brasileira Independente S/A
Valor investido pelo FSA: R$ 1 milhão
Projetos selecionados pelo canal Fashion TV que receberão investimentos do FSA:
“Entrada Franca – Fasen Haten”, da Interface Filmes (SP) – série documental com 8 episódios
“Nós, os fashionistas”, da Modo Operante (RJ) – série documental com 13 episódios
Mister Miss”, da Cubo Filmes (RS) – série documental com 13 episódios
“Fotógrafos”, da Lighthouse Produções Cinematográficas (SP) – série documental com 13 episódios

Projeto: Projeto de Programação Travel Box Brazil 2014/01
Proponente: PBI – Programadora Brasileira Independente S/A
Valor investido pelo FSA: R$ 1 milhão
Projetos selecionados pelo canal Travel Box Brazil que receberão investimentos do FSA:
“Destino incomum – 2ª temporada”, da Catraca Filmes (RS) – série documental com 10 episódios
“Profundo Scuba Diving – 3ª temporada”, da Aventura Produções (SP) – série documental com 24 episódios
“Descobrindo trilhas, da Photo Trilha (RS) – série documental com 36 episódios
“Clube Radical – Atletas”, da Clube Radical (RJ) – série documental com 12 episódios
“Ink the road Jack”, da Cápsula Filmes (RS) – série documental com 6 episódios

Projeto: Projeto de Programação Music Box Brazil 2014/01
Proponente: PBI – Programadora Brasileira Independente S/A
Valor investido pelo FSA: R4 2 milhões
Projetos selecionados pelo canal Music Box Brazil que receberão investimentos do FSA:
“Dando as letras – 2ª temporada”, da Pitanga Filmes (RS) – série documental com 13 episódios
“Rota do vinil”, da 4.2 Produtora (SP) – série documental com 13 episódios
“Curta o som – 2ª temporada”, da 4.2 Produtora (SP) – série documental com 13 episódios
“De show a show com Yamandú Costa”, da Café Maestro Produções (SC) – série documental com 12 episódios
“Origens”, da Café Maestro Produções (SC) – série documental de 13 episódios
“Ao vivo no Soma”, da SKR Filmes (RS) – série documental de 13 episódios
“Lá em casa sessions – 2ª temporada”, da Ataque Estúdio (BA) – série documental com 13 episódios
“Outro som – 2ª temporada”, da Da Pá Virada (DF) – série documental com 13 episódios
“Nessa estrada”, da Com Domínio Filmes (RJ) – série documental com 10 episódios
“Lincoln Olivetti, o mago do pop”, da Arissas Multimídia (RJ) – série documental com 6 episódios
“Rodrigo Santos – trem bala”, da Virtual Design (SC) – série documental com 6 episódios
“Música pra ver”, da Mutante Produções (RJ) – série documental com 13 episódios
“Os sambas”, da Inova Produções (RJ) – série documental com 13 episódios

PRODAV 01/2013

“Quilombo dos Palmares”– Série documental
Produtora: Palmares Produções e Jornalismo (RJ)
Programadora: Canal Curta!
Direção: José Carlos Lopes Asbeg e Luiz Arnaldo Dias Campos
Roteiro: Carlos Nobre e Luiz Arnaldo Dias Campos
Valor investido: R$ 700 mil
Sinopse: Série com cinco episódios sobre o Quilombo dos Palmares, marco da resistência à escravidão, que durante quase 100 anos ocupou extenso território entre Pernambuco e Alagoas, agregando não apenas escravos fugidos dos engenhos mas índios, camponeses e demais marginalizados daquela região.

PRODECINE 04/2013

“Deserto”– Longa-metragem de ficção
Produtora: Bananeira Filmes (RJ)
Distribuidora: Tucuman
Direção e roteiro: Guilherme Weber
Valor investido pelo FSA: R$ 316 mil
Sinopse: Um grupo de velhos artistas saltimbancos viaja pelo sertão brasileiro no início do século passado. Ao encontrar uma cidade abandonada, com poucas casas, uma igreja e uma fonte que jorra água limpa, o grupo resolve deixar a vida errante e esculpir o que consideram uma vida normal.

Estão abertas as inscrições para oficinas gratuitas de cinema da 19ª Mostra de Cinema de Tiradentes. Até o dia 7 de janeiro, os interessados devem preencher formulário disponível no site oficial do evento, www.mostratiradentes.com.br, e aguardar o prazo de seleção. São 10 modalidades com 280 vagas no total, atendendo a públicos e interesses diversos. Como ocorre a cada ano, a Mostra Tiradentes aposta na formação e capacitação técnica para o mercado de cinema e oferece oportunidades para nova geração.

A tradicional oficina de “Realização em Curta Digital”, ou Oficina do Bigode (apelido do instrutor, o cineasta Luiz Carlos Lacerda), é uma das mais concorridas. Neste mini-curso, o aluno faz parte de uma equipe que tem a oportunidade de fazer um curta-metragem, aprendendo todas as etapas do processo. Pela Oficina do Bigode já passaram alunos que se tornaram cineastas bem-sucedidos, como o carioca Bruno Safadi. São 35 vagas, a partir de 18 anos.

Outras oficinas que tem o propósito de “colocar a mão na massa” no mundo do cinema são dos instrutores Di Moretti, Joel Pizzini e Beto Strada. O cineasta Joel Pizzini vai ministrar a oficina de “Conceitos e Práticas de filme-ensaio, uma abordagem em construção”; já Moretti vai ministrar a oficina de “Roteiro Avançado” que enfocará temas com exercícios práticos para a confecção de roteiros cinematográficos. Devido a grande demanda por uma oficina técnica com enfoque no som para cinema, a Mostra, pela primeira vez, oferece a oficina “O Som em Cena”, ministrada pelo músico e compositor Beto Strada, que vai apresentar a música e suas técnicas de composição.

Para os interessados em interpretação, a dica é a oficina “Ator, o espelho da cena”, com o instrutor Glauco Witenburg. O objetivo é apresentar e aplicar a atores e diretores profissionais ou iniciantes o método de análise ativa, ferramenta fundamental para o trabalho tanto no teatro, como no cinema e TV.

Duas oficinas estão mais voltadas para o mercado de cinema: “Produção Executiva – Gestão de projetos audiovisuais”, com o instrutor Edileis Ferreira Novais. Para adolescentes e jovens, a pedida é o curso de “Criação e Produção de GIFs Animados”, com Henrique Kopke, pensando o GIF como uma nova modalidade das imagens em movimento e sua relação com o cinema. Já para quem curte a prática de registrar fatos e imagens, a opção é a oficina“Jovem Repórter”, que será ministrada pelo Marcelo Cavalieri.

E a criançada que for curtir as férias na Mostra Tiradentes, além de participar das sessões de cinema, podem se inscrever em oficinas de cultura. Para a faixa etária de 10 a 14 anos, a opção é a oficina “Cinema e Artes Plásticas: Meu Super herói” que será ministrada pela artista plástica Daniela Penna.