Mulher-Maravilha | James Cameron mantém suas críticas ao filme

Em uma entrevista concedida ao The Hollywood Reporter, o diretor James Cameron (“Avatar“) reforçou a sua posição de crítica a “Mulher-Maravilha“. Ao ser questionado sobre o que havia dito em entrevista realizada no fim de agosto, quando disse que o longa da heroína “é um passo para atrás“, Cameron comentou que mantém sua opinião de que a personagem interpretada por Gal Gadot “é um ícone objetificado“:

Sim, eu mantenho o que disse. Quero dizer, ela foi a Miss Israel, estava usando uma espécie de bustier que era bem justo. Ela é absolutamente linda. Para mim, isso não é inédito. Eles tinham Raquel Welch fazendo essas coisas nos anos 1960. Era tudo no contexto de falar sobre como a Sarah Connor – o que Linda criou em 1991, era, senão à frente de seu tempo, pelo menos um avanço para a época. Não penso que era realmente à frente de seu tempo, porque ainda não estamos [dando estes papéis às mulheres]”.

O diretor também se revelou perplexo em saber que seu comentário foi considerado controverso. Apesar de considerar “Mulher-Maravilha” um bom filme, ele comenta que “Hollywood ainda não entendeu como abordar mulheres em franquias comerciais“:

Eu aplaudo Patty [Jenkins, diretora de “Mulher-Maravilha”] por dirigir o filme e por Hollywood ‘deixar’ que uma mulher dirigisse um grande filme de ação, mas eu não acho que houve nada de inovador em ‘Mulher-Maravilha’. Penso que foi um bom filme. Ponto. Fiquei chocado em saber que meu comentário foi controverso. Na minha mente, estava muito claro. Eu apenas acho que Hollywood ainda não entendeu em como abordar mulheres em grandes franquias comerciais. Em filmes de drama, eles compreenderam, mas no segundo em que eles começam a produzir um grande filme de ação, eles acham que têm que apelar para homens de 18 anos ou garotos de 14 anos”.

Na ocasião da primeira crítica, Patty Jenkins respondeu o comentário afirmando que Cameron “não entendia o que é Mulher-Maravilha, ou o que ela representa, por não ser mulher“. Para a diretora, as mulheres não precisam serem sempre duras, resistentes e problemáticas como o caso de Linda Hamilton, que estrelou “Exterminador do Futuro 2: O Julgamento Final” e foi citada como exemplo por Cameron. Jenkins ressaltou que as mulheres “podem e devem ser todas as coisas, assim como homens”.

“Mulher-Maravilha” estreou no Brasil em junho deste ano e tornou-se um grande sucesso de crítica e público, ultrapassando a marca de US$ 800 milhões de arrecadação mundial. O filme também conquistou a maior bilheteria de um filme live-action dirigido por uma mulher, com uma continuação programada para estrear no final de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *