Mercado de Ideias Audiovisuais reúne cineastas e produtores brasileiros e estrangeiros

A 42ª edição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo promove, no Hotel Renaissance e no Itaú Cultural, de 24 a 27 de outubro, o Mercado de Ideias Audiovisuais, fruto de parceria com a Spcine. O evento, destinado ao público em geral e aos profissionais do cinema e da TV, soma debates, seminários, workshop e encontro entre 20 produtoras brasileiras (selecionadas entre 195 inscritas) e players internacionais.

Cinéfilos, estudantes e profissionais do audiovisual poderão assistir ao II Fórum Mostra e aos Encontros de Negócios. Só o evento Do Livro ao Filme será restrito a produtoras previamente inscritas. Dele, participarão produtores, cineastas e/ou escritores como Jorge Furtado, Drauzio Varella, Fernando Bonassi, José Eduardo Belmonte, Otto Guerra, Roberto Gervitz, Rodrigo Teixeira e Caio Gullane.

Players do Brasil e do exterior, representantes de todas as etapas envolvidas na concretização de um filme – desenvolvimento do projeto, produção, comercialização e exibição –, participarão do Mercado de Ideias Audiovisuais.

O II Fórum Mostra (aberto ao público em geral, grátis, com debates e workshop voltados a estudantes e jovens realizadores) acontecerá no Itaú Cultural. Os Encontros de Negócios (rodadas de conversas entre agentes de vendas e produtores internacionais com 20 produtores brasileiros) terá o Hotel Renaissance como sede. No mesmo local, será realizado o projeto Do Livro ao Filme (para convidados). O objetivo deste encontro é aproximar editoras e produtoras audiovisuais. Durante um pitching, agentes literários apresentarão, para profissionais de cinema e TV, obras com potencial de adaptação para cinema.

Após as atividades do Encontros de Negócios, segmento do Mercado de Ideias Audiovisuais da Mostra, os roteiristas representantes dos 20 projetos selecionados concorrerão a uma bolsa no valor de R$ 30 mil, oferecida pelo Instituto Olga Rabinovich.

Programação completa:

II Fórum Mostra – No Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 – Aberto a todos, entrada franca – retirar senhas com uma hora de antecedência). O Fórum sequencia projeto iniciado em 2017, quando o cinema foi analisado a partir do ponto de vista mercadológico e artístico. Nesta edição, ao longo de três dias de debates, em oito mesas e um workshop, o Fórum proporciona muitas trocas de experiências e ideias.

PRIMEIRO DIA – Quarta-feira, 24 de outubro, tema “De onde vem a inspiração” – Dedicado à criação, este debate estabelece um diálogo com a instalação Chalkroom, de Laurie Anderson e Hsin-Chein Huang, e procura explorar os novos caminhos para contar histórias e emocionar o espectador. As conversas procuram respostas para a pergunta-base de todo trabalho criativo: como nascem as ideias e que caminho elas percorrem até se tornarem uma obra?

HORÁRIOS:

10h00 às 12h00 – Mesa 1. Tema: Fim das fronteiras: mescla entre linguagens e formatos – Uma análise da permanente evolução da linguagem do cinema. Diferentes tradições, formatos e plataformas se tocam e se misturam: a animação está a serviço do real; artistas visuais fazem cinema; cineastas criam para além da tela; e a tecnologia propicia novas experiências sensoriais. Debatedores: Murilo Hauser (roteirista, diretor e curador), Nicolas Champeaux (diretor), Otto Guerra (animador), Priscila Guedes (Anableps XR). Mediação: Ana Letícia Fialho, gerente-executiva do Cinema do Brasil.

14h00 às 16h00 – Mesa 2. Tema: Do texto ao filme: as relações entre cinema e literatura – Os livros são a fonte de muitas das ideias que acabam por virar imagem. No mesmo ano em que exibe o filme Burning, produção baseada numa obra de Haruki Murakami, a Mostra explora as relações entre literatura e cinema. Debatedores: Jorge Furtado (diretor e roteirista), Marie-José Sanselme (roteirista), Roberto Gervitz (diretor e roteirista) e Sérgio Tréfaut (diretor e produtor) -Mediação: Paulo Werneck, editor da revista Quatro Cinco Um.

16h30 às 18h30 – Mesa 3. Tema: Dráuzio Varella: da vida à palavra, da palavra à imagem – O médico e escritor Dráuzio Varella mostra que a inspiração, algo que todo criador persegue, está, sobretudo, nas experiências humanas. Na Casa de Detenção do Carandiru, onde trabalhou como voluntário, ele colheu as histórias que, há quase 20 anos, ocupam o imaginário nacional.
Debatedores: Caio Gullane (produtor), Dráuzio Varella (médico e escritor), Edson Pimentel (Globo Filmes), Fernando Bonassi (roteirista e escritor), José Eduardo Belmonte (diretor) – Mediação: Ana Paula Sousa, coordenadora do II Fórum Mostra

SEGUNDO DIA – Quinta-feira, 25 de outubro, tema: Como fazer um filme existir – Profissionais compartilham suas experiências no financiamento, na coprodução e na distribuição de filmes brasileiros, em especial, e do cinema de arte, em geral.

HORÁRIOS:

10h00 às 12h00 – Mesa 4. Tema: FSA: como deve se dar o financiamento público ao cinema? – Em debate está a separação entre os chamados “cinemão e cineminha” e a distribuição de recursos a partir das novas regras do Fundo Setorial do Audiovisual. Debatedores: Denise Gomes (Bossa Nova Films), Jean Thomas Bernardini (Imovision), Max Eluard (Avoa Filmes), Christian de Castro (Ancine) – Mediação: Ana Paula Sousa.

14h00 às 16h00 – Mesa 5. Tema: Coproduções: o caminho para o cinema de arte – Produtores, agentes de venda e distribuidores internacionais falam sobre os desafios que o cinema de arte e o cinema brasileiro enfrentam no mercado europeu.  Debatedores: Catherine Dussart (CDP Productions), Delphine Tomson (Les Films du Fleuve), Marcin Łuczaj (New Europe Film Sales), Tatiana Leite (Bubbles Project). Mediação: Ana Letícia Fialho.

16h30 às 18h30 – Mesa 6. Tema: Janelas abertas: a batalha dos lançamentos na era do VoD – Representantes dos diferentes elos da cadeia cinematográfica falam sobre os modelos de negócio desse universo em incessante mutação. O streaming é uma plataforma estimulante e ameaçadora ao mesmo tempo.Debatedores: Adhemar Oliveira (Espaço Itaú de Cinema), Luiz Bannitz (Looke), Maurício de Andrade Ramos (Spcine), Rodrigo Saturnino (Sony Pictures) – Mediação: Guilherme Genestreti, repórter da Folha de S. Paulo.

TERCEIRO DIA – Sexta-feira, 26 de outubro, tema Que futuro tem a cultura? – No último dia de debates, o Fórum amplia seu foco para o terreno no qual o audiovisual tem papel preponderante e coloca em pauta as disputas em torno da regulação do streaming e o futuro das políticas culturais.

10h00 às 12h00 – Workshop: Primeiros passos: como vender você e seu projeto – Profissionais representativos dos três elos da cadeia audiovisual – produção, distribuição e exibição – conversam com jovens realizadores e estudantes. Debatedores: Bárbara Sturm (Elo Company), Henry Galsky (Canal Brasil) e Rodrigo Teixeira (RT Features) – Mediação: José Roberto Sadek, professor da Faap.

14h00 às 16h00 – Mesa 7. Tema: Exceção Cultural: a batalha pela regulação do streaming – Debate sobre o papel do Estado na Cultura. Uma nova pergunta está presente: no contexto do streaming, serviço ligado à tecnologia e às telecomunicações, ainda é possível proteger o conteúdo local? – Debatedores: Fernando Magalhães (NET), Magno Maranhão (Ancine), Oscar Simões (ABTA) e Paulo Schmidt (Academia de Filmes) – Mediação: Ana Paula Sousa.

16h30 às 18h30 – Mesa 8. Tema: Sustentabilidade da cultura: entre o público e o privado – As parcerias entre Estado e empresas, a Lei Rouanet, a cultura como direito e cidadania são alguns dos temas que pautam o debate de encerramento do II Fórum Mostra. Debatedores: Cristina Ikonomidis (Cinemateca Brasileira), Danilo Santos de Miranda (Sesc), Eduardo Saron (Itaú Cultural) e Jailson de Souza e Silva (Observatório de Favelas) – Mediação: Ana Letícia Fialho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *