Pois é, não tá fácil para ninguém. Há alguns anos, a maioria dos homens queria ser Brad Pitt ou Johnny Depp. Hoje, cinquentões, os astros não chamam o público que costumavam. Segundo o site Observatório do Cinema, analistas do PartyCasino realizaram um estudo centrado nos campeões de bilheteria, desde 1980, para descobrir os atores hollywoodianos mais rentáveis.

O estudo envolveu o orçamento das produções e seu retorno em bilheteria, tirando assim uma média por cada dólar investido numa obra e seu retorno financeiro. Para a surpresa geral, alguns dos maiores nomes do momento se posicionaram no fundo da lista, já que seus filmes possuem o orçamento mais inflado, muitas vezes não dando lucro. Astros como Brad Pitt, Johnny Depp, Hugh Jackman, Robert De Niro e Anthony Hopkins foram apontados como os que dão mais prejuízo aos estúdios.

Mas a surpresa não parou por aí. Segundo o mesmo estudo, no topo da lista como os mais rentáveis, apareceram atores que já não se encontram mais no time A de Hollywood, muitas vezes realizando apenas lançamento direto no mercado de vídeo e TV. Entre eles, Emilio Estevez foi o mais lucrativo, seguido de Jean Claude Van Damme, Mel Gibson e Tyler Perry. Ao contrário dos atores acima, os rentáveis trabalham com orçamento mais baixo, respondendo assim de forma mais positiva ao investimento.

Participe do nosso grupo ESPECIAL no Facebook » https://goo.gl/BBFEmQ

     

Crítica | A Babá – Netflix lança comédia de terror sobre culto satânico

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

Venom‘ ganhou sua conta oficial no Twitter com uma primeira imagem de Tom Hardy nos bastidores a produção.

Confira a camisa do personagem e o rosto cheio de cicatrizes:

Venom’ tem estreia marcada nos cinemas em 5 de outubro de 2018.

Depois de Tom Hardy, Michelle William e  Jenny Slate estrelam.

O estúdio já deixou claro que o Homem-Aranha (Tom Holland) não estará nos spinoffs, mas deixou claro que as portas estão abertas para mais filmes no universo do cabeça de teia, como o – previsto – ‘Sexteto Sinistro‘. 

O longa, da Columbia Pictures conta com o roteiro de Scott Rosenberg (‘Jumanji’), Kelly Marcel (’50 Tons de Cinza’) e Jeff Pinker (‘A Torre Negra’) e a produção de Avi Arad, Matt Tolmach (‘O Espetacular Homem-Aranha’) e Amy Pascal (‘Homem-Aranha: De Volta ao Lar’).

 

Crítica | A Babá – Netflix lança comédia de terror sobre culto satânico

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

Nossa correspondente Letícia Alassë esteve presente no local e topou o desafio de adentrar os domínios de Pennywise, o palhaço dançarino, e sobreviveu para nos mostrar a casa de It – A Coisa. Assista abaixo.

 

Participe do nosso grupo ESPECIAL no Facebook » https://goo.gl/BBFEmQ

     

Crítica | A Babá – Netflix lança comédia de terror sobre culto satânico

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

I, Tonya’, biografia muito criativa protagonizada pela musa Margot Robbie, que também é a produtora, acaba de ganhar seu primeiro teaser.

Leia a crítica de ‘I, Tonya’, direto do Festival de Toronto 2017

Assista:

Participe do nosso grupo ESPECIAL no Facebook » https://goo.gl/BBFEmQ

     

I, Tonya será lançado nos EUA, em Nova York e Los Angeles, no dia 8 de dezembro, aumentando o circuito por outros estados a partir de janeiro. O fato valida a candidatura do longa para potenciais indicações ao Oscar.

Quando tive o prazer de assistir ao filme no TIFF (Festival de Cinema de Toronto) deste ano, em sua estreia mundial, fui completamente arrebatado pela obra e comecei ali minha campanha para sua indicação, em especial para Robbie (atriz principal) e Allison Janney (atriz coadjuvante). Mas existia a barreira do lançamento em 2018. Não existe mais.

I, Tonya foi um dos maiores sucessos do TIFF deste ano e foi comprado por US$5 milhões durante o evento. Com isso, esperamos que essa maravilha também chegue ao Brasil.

Crítica | A Babá – Netflix lança comédia de terror sobre culto satânico

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

Dentre todos os heróis principais do Universo Estendido Marvel nos cinemas, Thor até o momento sempre foi aquele com menor personalidade. Convenhamos. Tony Stark é o playboy milionário com humor ácido. Capitão América é o puritano cujo valores são dificilmente corrompidos. Natasha é uma assassina fria com um grande coração. E Hulk é… o Hulk.

Os dois filmes solo do Thor derraparam em entregar uma personalidade forte, o que desagradou muitos fãs. Faltou empatia com o público, que se perguntava: “Afinal, quem é o Deus do Trovão?”.

Tendo consciência disso, a Marvel decidiu chutar o balde e criar um filme que praticamente serve como um reboot da franquia ‘Thor’.

Participe do nosso grupo ESPECIAL no Facebook » https://goo.gl/BBFEmQ

     

O tom aqui é similar ao da franquia ‘Guardiões da Galáxia’, deixando de lado o toma mais sério e se transformando em uma sátira dos filmes de super-heróis, revertendo o gênero e divertindo o público. Ou seja: se você não gostou dos dois primeiros ‘Thor’, você vai amar esse filme.

A trama começa com Thor sendo enviado para o planeta Sakar, aonde uma luta entre gladiadores o coloca para enfrentar o um ex-aliado e companheiro Vingador – Hulk.  Preso do outro lado do universo e sem o seu martelo poderoso, ele encontra-se numa corrida contra o tempo para voltar a Asgard e impedir Ragnarok – a destruição do seu mundo e o fim da civilização Asgardiana. Seu povo se encontra nas mãos de uma nova e poderosa ameaça, a implacável Hela. Ele precisará recrutar um time para combater a Deusa da Morte, e impedir o fim do mundo.

Thor é a única franquia Marvel Studios para ter um diretor diferente para cada filme: Kenneth Branagh dirigiu Thor (2011) e Alan Taylor dirigiu Thor: O Mundo Sombrio (2013).

Foi uma decisão certeira trazer para a direção Taika Waititi, do ótimo ‘O Que Fazemos nas Sombras’, que consegue mudar o tom da franquia e colocá-la na direção certa. O humor impera no filme, que sim, é o mais divertido da Marvel.

A fórmula aqui também é bastante diferente dos outros filmes do estúdio, inovando e surpreendendo como em ‘Guardiões da Galáxia’.

Thor finalmente demonstrou a que veio e ganhou uma personalidade própria, provando o timing cômico do ator Chris Hemsworth – em sua melhor atuação até aqui.

Sua interação com o Hulk é impagável, e o verdão também ganha bastante destaque como co-protagonista, apesar de vermos pouco o ator Mark Ruffalo.

O elenco é sensacional. No time feminino, quem rouba a cena é Tessa Thompson como Valquíria, simplesmente maravilhosa. Cate Blanchett está caricata como a vilã Hela, e apesar de dar o melhor de si, ela parece uma cópia da Rita Repulsa. Será que temos uma maldição no quesito vilões da Marvel?

Tom Hiddleston como sempre entrega uma atuação impecável como Loki, e Jeff Goldblum está impagável como o Grão Mestre.

Embaladas pela trilha sonora de Mark Mothersbaugh e pela música Immigrant Song (Led Zeppelin), as cenas de ação são grandiosas e épicas. Entre batalhas de gladiadores e viagens interplanetárias, ‘ThorRagnarok’ é recheado de ação – o que vai agradar o público em geral.

Porém, o roteiro deixa um pouco a desejar. Apesar das diversas plot twists chocantes (o filme tem várias), faltou o brilhantismo de um roteirista como James Gunn – que conseguiu reverter os clichês do gênero. Outro problema é a falta de seriedade e urgência, já que estamos falando aqui de Ragnarok – a destruição de Asgard. O fim do mundo está acontecendo, mas os personagens sempre tem um tempinho para suas piadinhas de efeito.

ThorRagnarok’ provavelmente vai transformar Thor em um dos heróis favoritos de muita gente, e pode ser considerado uma espécie de ‘Deadpool’ (personagem da Marvel que está nas mãos da Fox nos cinemas). É uma comédia escrachada, que traz um herói brincalhão com um humor ácido.

Mais uma vez a Marvel prova que sabe inovar e entregar filmes que fogem da sua fórmula batida, mas nunca deixando o clima épico de suas produções de lado.

Obs 1: O filme tem duas cenas pós-créditos.

Obs 2: A exibição para a imprensa foi em 2D, então não podemos analisar se compensa assistir em 3D.

Crítica | A Babá – Netflix lança comédia de terror sobre culto satânico

» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «