O livro Sob Pressão – A Rotina de Guerra de um Médico Brasileiro, de Márcio Maranhão, ganha nova edição da Globo Livros. A obra traz alguns relatos da rotina do médico carioca Márcio Maranhão, durante os 15 anos em que trabalhou para o sistema público de saúde, no Rio de Janeiro.

As histórias do livro inspiraram filme e série, dirigidos por Andrucha Waddington na TV Globo, produções que contam com a consultoria do médico nas gravações.

Sob Pressão – A Rotina de Guerra de um Médico Brasileiro
Autor: Márcio Maranhão
Editora: Globo Livros
Páginas: 136

Com o objetivo de qualificar e incentivar a criação de novos projetos audiovisuais em Goiás, o Icumam abriu inscrições para a Etapa 2 do 12º Curso de Formação Profissional – Núcleo de Desenvolvimento de Roteiros Audiovisuais, até o dia 18 de agosto, pelo site www.icumam.com.br/12_curso_cinema.

A proposta do curso é trabalhar projetos de ficção, documentário, animação e séries de TV dos gêneros humor e drama. A Etapa 2 curso acontece no Hotel Papillon, dentro da programação da 17ª Goiânia Mostra Curtas, que este ano será realizada entre os dias 3 a 8 de outubro, no Teatro Goiânia.

O curso começou em março deste ano e promoveu, durante dez dias, uma verdadeira imersão dos participantes no audiovisual. Gratuito, ministrado em módulos e estruturado em duas etapas, o projeto é conduzido por profissionais atuantes no mercado audiovisual, interessados na troca de experiências: em 2017, César Cabral (animação), Di Moretti (documentário), Chico Mattoso (ficção), Thiago Dottori (série de TV dramática) e Denis Nielsen (série de TV humorística). A ideia é de que os projetos passem por um tempo de maturação de seis meses para que incrementem seu potencial de desenvolvimento.

Conheça as ementas dos módulos e seus ministrantes:

Animação – Seleção de três projetos para consultoria individual com duração de duas horas cada um. A consultoria visa analisar o projeto, dar um retorno narrativo e técnico do roteiro e ajudar o aluno a preparar a apresentação da defesa oral (pitching).

César Cabral é formado em Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Atua desde 2002 como diretor, produtor e animador em projetos para Cinema e Televisão. Em 2008, realizou o curta-metragem em animação stop motion “Dossiê Rê Bordosa”,que conquistou mais de 70 prêmios em festivais nacionais e internacionais, Em 2010 dirigiu “Tempestade”, curta-metragem premiado em vários festivais nacionais e exibido em eventos internacionais. Em abril de 2017, a série Angeli The Killer, estreou Canal Brasil e atualmente produz seu primeiro longa-metragem e coordena o Núcleo Criativo Coala Filmes.

Documentário – Consultoria particular de duas horas, em dois dias consecutivos, onde serão analisados, em todas as teorias apresentadas na Etapa 1, três argumentos selecionados dentre todos os inscritos para esta etapa de roteiro de documentário, mais um argumento da oficina de série drama.

Di Moretti é formado em Rádio/TV (FAAP) e jornalismo (PUC-SP), tendo iniciado sua carreira como redator de programas de rádio e televisão, passando logo para os vídeos institucionais. Desde o inicio dos anos 1990, consolidou sua trajetória profissional como roteirista de cinema, professor (Sesc, Escola São Paulo, Espaço Unibanco, FAAP, Festival de Brasília, Mostra Tiradentes…), e consultor de roteiro (Sundance Institute, Laboratório Sesc de Roteiros…). Roteirizou longas-metragens premiados, como: Latitude Zero, Tropicália (doc), Dominguinhos (doc), e, em pré-produção, O Pai da Rita. Para a TV, além de documentários históricos, esportivos e de natureza; roteirizou especiais e séries. Atualmente desenvolve o longa de ficção O resto de seus dias, projeto premiado pelo Fundo Setorial do Audiovisual.

Ficção – Orientação especializada de três argumentos de longa-metragem, mais um argumento da oficina de série drama. Cada um dos autores dos projetos selecionados terá um encontro de duas horas com o ministrante, no qual será feito um diagnóstico geral do projeto e uma análise mais detida de seus eventuais problemas estruturais. O objetivo é encontrar possíveis soluções para esses problemas, sempre levando em conta os fundamentos discutidos ao longo da primeira fase. Ao longo da consultoria, os selecionados também receberão orientações de Chico Mattoso para a sessão de pitching (apresentação oral) dos projetos.

Chico Mattoso é escritor, tradutor e roteirista. Formado em Letras pela USP, é mestre em escrita dramática pela Northwestern University (EUA), onde também atuou como professor. Foi editor da revista literária Ácaro e é autor dos romances Longe de Ramiro (Ed. 34, 2007) e Nunca vai embora (Companhia das Letras, 2011). Em 2012 foi eleito pela revista britânica Granta um dos vinte “melhores jovens escritores brasileiros”. Iniciou a carreira de roteirista integrando a equipe de colaboradores da novela Bang-Bang (2006), da TV Globo. Desde então já trabalhou para produtoras como Gullane, Pródigo e O2 Filmes. No último ano colaborou no roteiro do novo filme de Laís Bodanzky, uma cinebiografia de D. Pedro I. Atualmente trabalha, como roteirista-chefe, no desenvolvimento de uma nova série de ficção para a HBO.

Série de TV (Drama) – Processo de seleção de projetos de séries de drama para a televisão. Entre os inscritos, Thiago Dottori irá selecionar os três melhores projetos que irão passar por um processo de consultoria durante a programação da 17ª  Goiânia Mostra Curtas. Ao final das consultorias, os projetos irão participar de um pitching para uma banca de especialistas.

Thiago Dottori é roteirista e consultor de roteiros. Presidente da associação Autores de Cinema. Escreveu os longa-metragens Trago Comigo(dir. Tata Amaral), Vips (dir. Toniko Melo) e Os 3, (dir. Nando Olival). É um dos criadores – além de roteirista e supervisor de roteiro – da série Pedro e Bianca (TV Cultura). Escreveu todos os episódios da primeira e segunda temporadas da série Psi (HBO), com Contardo Calligaris, exibidos em 2014 e 2015. É roteirista de séries televisivas exibidas nos canais HBO, Sony e TV Brasil. É criador e roteirista da pequena série Dicionário de Emília, exibida no Fantástico, da TV Globo. Também escreveu o roteiro dos documentários Ouvir o Rio e 13 Minutos.

Série de TV (Humor) – Análise dos projetos selecionados e consultoria aprofundada centrada no conceito e na dramaturgia de cada projeto, com preparação para o momento do pitching, por Denis Nielsen.

Denis Nielsen graduou-se em Audiovisual pela ECA-USP em 2008, e em 2010 foi para Los Angeles, cursar um Mestrado MFA em roteiro na Loyola Marymount University (LMU), contemplado pela bolsa CAPES/Fulbright.Desde que voltou ao Brasil, em 2013, ele vem trabalhando com roteiros de cinema e televisão, tendo trabalhado séries como 3% (Netflix), Historietas Assombradas (Para Crianças Malcriadas) (Cartoon Network), Oswaldo (Cartoon/Cultura), Vida de Estagiário (Warner) e Santo Forte (AXN). Atualmente, ele escreve o longa-metragem de comédia Cabras Da Peste (Glaz – 2018) e a série O Doutrinador (Space/Turner), além de finalizar o longa documentário The Sailing Band Project, filmado em Antigua, no Caribe, em 2015.

Estão abertas as inscrições para as oficinas oferecidas pela 11ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, que acontece entre os dias 22 e 27 de agosto. O evento oferece um amplo programa de capacitação e formação para profissionais do setor, da educação, jovens e interessados em cinema. Serão realizadas cinco oficinas, um workshop internacional de cinema documentário e uma masterclass com o cineasta, ator e crítico francês Pierre Léon. No total, serão oferecidas 230 vagas. As oficinas acontecem entre os dias 23 a 27 de agosto, nas dependências da Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes – Av. Afonso Pena 1537 – Centro), em Belo Horizonte. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 10 de agosto, pelo site cinebh.com.br.

Pierre Léon será um dos destaques do programa de capacitação. Com quase três décadas de trabalho no setor audiovisual, ele realizou curtas, médias e longas-metragens. Cineasta de produções modestas e ideias vigorosas, seus filmes carregam traços e elementos comuns no repertório do cinema moderno francês, principalmente, no gosto pelo romanesco (sua forma, sua perspectiva moral) e na consciência moderna que marca o estilo e dramaturgia. A literatura russa, em especial, está presente nas suas aproximações de Dostoievski: L’Adolescent (2000), Octobre (2006), L’idiot (2009) e Deux Rémi, Deux (2015), que é adaptação de O Duplo. A masterclass com Pierre Léon será ministrada no dia 23 de agosto.

A oficina Cinema Queer – Os Gestos da Direção, o Gatilho da Criação, de Marcelo Caetano, discutirá, no dia 23 de agosto, o fazer cinematográfico a partir da relação entre escolhas de roteiro e mise-en-scène com textos teóricos e literários como gatilhos para a criação. Em “Bailão”, a escolha pela privacidade de um grupo de homossexuais da terceira idade quase levou inviabilidade do documentário. Quais foram as estratégias para filmar corpos que não buscavam a visibilidade? Em “Na sua Companhia”, as diferenças sociais, etárias, raciais entre um professor e um cozinheiro geraram uma fissura no modo de representar o desejo dentro do prisma das relações de poder no Brasil. Já em “Corpo Elétrico”, o encontro com um poema de Walt Whitman levou o diretor a questionar as estruturas narrativas tradicionais, levando à pergunta: é possível falar de uma temporalidade queer?

Wladimir Winter oferecerá a oficina Conteúdo Audiovisual e Oportunidade de Negócios, a qual será apresentado o panorama geral de como a indústria do entretenimento (cinema, séries) está mudando e junto com ela a nova forma de fazer publicidade através de conteúdo. O instrutor Di Moretti ministrará o curso Da Faísca e uma ideia o Roteiro Cinematográfico, englobando temas específicos que descrevem a confecção de um roteiro cinematográfico. As duas serão realizadas nos dias 23, 24 e 25 de agosto.

Com o objetivo de desenvolver análise crítica e estética de filmes brasileiros contemporâneos, o professor e crítico de cinema, Cleber Eduardo ministrará a oficina Análise de Estilos Cinematográficos, entre os dias 25 e 27 de agosto. O objetivo da atividade é desenvolver a análise crítica e estética de filmes brasileiros contemporâneos e selecionar os cinco integrantes do Júri Jovem, que elegerá o melhor longa da Mostra Olhos Livres, na Mostra de Cinema de Tiradentes 2018.

Já nos dias 26 e 27 de agosto, a instrutora Ana Lúcia de Faria e Azevedo ficará responsável pela oficina Cineclubes nas Escolas: Experiências e Possibilidades, que pretende apresentar e discutir as várias possibilidades e os desafios dos cineclubes escolares, expondo e analisando projetos já existentes e imaginando propostas a serem criadas e implementadas. O debate será a partir de um breve histórico da exibição de filmes no ambiente escolar e da discussão dos aspectos essenciais para a organização de atividades cineclubistas nesse contexto.

O 24º Festival de Cinema de Vitória abriu inscrições para duas oficinas: a de Crítica Cinematográfica, com o jornalista cultural André Dib, e de Animação 2D, com o premiado cineasta Otto Guerra, esta última estreando na programação do evento, que acontece entre os dias 11 e 16 de setembro, no Teatro Carlos Gomes.

Os interessados têm até o dia 11 de agosto para se inscrever nos cursos, que serão realizados na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). As inscrições serão recebidas pelo e-mail oficinas@ibcavix.org.br, limitadas a pessoas acima de 16 anos. No caso da Oficina de Crítica Cinematográfica, é preciso enviar um texto de até 2.500 caracteres sobre um filme da sua escolha (curta ou longa, ficção ou documentário). A mensagem deve conter nome, idade, cidade, telefone e escolaridade.

Os participantes selecionados serão comunicados via e-mail. Para efetivar a inscrição, deverão doar um pacote de fraldas (tamanho M ou G), na sede da Galpão Produções (Rua Professora Maria Cândida da Silva, 115, Bairro República, Vitória), de segunda a sexta-feira, das 11h às 15h. O material arrecadado será doado para o Hospital Infantil de Vitória.

O 24º Festival de Cinema de Vitória também contará com outras duas oficinas, que terão as inscrições abertas nos próximos dias.

Um panorama dos últimos 15 anos da produção cinematográfica em Cuba chega à Caixa Cultural Rio de Janeiro na mostra Por dentro da Ilha — Cinema em Cuba nos anos 2000, que acontece de 1º a 13 de agosto. Serão exibidos 22 filmes –nove longas-metragens e os demais médias ou curtas – em uma seleção que prima pela diversidade de gênero e de olhares. Embora a maioria dos filmes seja de diretores cubanos, há espaço também para estrangeiros que possuem estreita relação com o país, como os brasileiros Gustavo Vinagre e Janaína Marques e a espanhola Irene Gutiérrez.

A programação inclui filmes bem recebidos em festivais em Cuba, como Digna Guerra (2013), de Marcel Beltrán, ganhador do prêmio de melhor direção e melhor edição na Mostra Jovem de 2013; e também trabalhos já reconhecidos, como o longa Veneza (2014), de Kiki Álvares, selecionado em festivais em Toronto, Miami e Guadalajara. Também haverá uma sessão em homenagem a Nicolás Guillén Landrián, importante documentarista cubano ainda pouco conhecido no mundo.

Landrián produziu, nos anos 60, documentários marcados por forte crítica ao regime, o que levou à sua expulsão do órgão estatal onde trabalhava e posterior exílio nos Estados Unidos. Sua obra revela uma visão de vanguarda, ainda transgressora nos dias de hoje. A sessão traz dois curtas do cineasta, Coffea Arabiga (1968) e Los del Baile (1965), seguidos de um documentário sobre sua vida, Cafe con Leche (2003), dirigido por Manuel Zayas.

O cinema cubano sempre teve papel importante na história do país, que realiza o Festival de Havana e abriga, desde 1986, a Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de los Baños, onde estuda a curadora da mostra, Denise Kelm. Tomás Gutierrez Alea e Fernando Pérez são exemplos de cineastas reconhecidos, porém, a rica produção atual é pouco conhecida fora da Ilha.

A mostra, aliás, só se torna possível graças ao intercâmbio pessoal entre a curadora e os realizadores locais, já que a troca de informações com o resto do mundo segue sendo difícil para quem está na Ilha. Denise descobriu que o cinema independente cubano tem ganhado cada vez mais força, o que é curioso quando se trata de um país com difícil acesso à tecnologia e com rigoroso controle dos meios de produção pelo Estado — todos os filmes são obrigados a passar pelo Instituto Cubano del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC), órgão oficial do governo.

A mostra promove também o debate Em épocas de mudanças, o que falar sobre o cinema cubano?, no dia 4 de agosto (sexta-feira), às 19h10, com a presença dos cineastas Iana Cossoy Paro e Víctor Alexis Guerrero Stoliar, e mediação do crítico de cinema e produtor da mostra Aristeu Araújo. Já no dia 12 (sábado), também às 19h10, Denise Kelm ministra a palestra A experiência de filmar dentro da Ilha. Ambas as atividades acontecem no Cinema 1 da Caixa Cultural Rio de Janeiro, com entrada franca e ingressos distribuídos uma hora antes do início.

A programação completa da mostra está disponível no site www.caixacultural.gov.br.

 

Por dentro da Ilha — Cinema em Cuba nos anos 2000
Data: 1º a 13 de agosto
Local: Caixa Cultural Rio de Janeiro – Cinema 1 – Av. Almirante Barroso, 25, Centro (Metrô: Estação Carioca) – (21) 3980-3815
Ingressos: R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia.
Lotação: 78 lugares (mais 3 para cadeirantes)
Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 10h às 20h
Acesso para pessoas com deficiência