Após uma performance abaixo do esperado de “Star Trek: Sem Fronteiras” nas bilheterias mundiais – o longa somou US$ 343.3 milhões nas bilheterias mundiais – o futuro da franquia, apesar de garantido, ainda está com rumos por definir. Na última segunda-feira (26) o ator Simon Pegg (“Jogador Nº 1“), que dá vida ao engenheiro Montgomery Scott nas novas produções, criticou a estratégia de promoção do último longa ao portal GeekExchange, colocando-a como uma das responsáveis pelo baixo valor arrecadadado:

“Acho que foi mal promovido, para ser sincero. Se você olhar para filmes como ‘Esquadrão Suicida’, ele tinha propagandas muito antes de ser lançado, e as pessoas estavam muito ansiosas. Enquanto com ‘Star Trek: Sem Fronteiras’ foi o contrário, o marketing começou muito tarde. Ainda teve bons resultados, mas foi um pouco decepcionante se comparado com ‘Além da Escuridão’ [segundo filme da nova franquia].”

Outro fator que incomodou o ator em relação à promoção do filme foi a campanha ter incluido cenas com a música “Sabotage“, dos Beastie Boys, que seria uma surpresa para os fãs no terceiro ato:

“Fiquei muito irritado por terem usado ‘Sabotage’, era nosso momento surpresa no final. Era para ter sido uma reviravolta muito legal e emocionante, e algo que era para ser uma grande surpresa assim, foi estragado logo no primeiro trailer, me incomodou bastante. Também fizeram parecer um filme de ação besta. Acho que estavam assustados, ainda mais com o 50º aniversário da franquia. Foi meio às pressas, não sabiam direito o que fazer e é uma pena. Mas saí do filme muito, muito feliz e orgulhoso.”

Pegg ainda complementou suas últimas declarações sobre a participação de Quentin Tarantino (“Os Oito Odiados“) na franquia, esclarecendo que tudo ainda está nos estágios iniciais e aguardando definições:

“Há um roteiro sendo escrito, e há também a história de Tarantino vir e bater um papo com J.J. Abrams [produtor da franquia ], sobre uma ideia que ele tem faz tempo. Essa ideia vai para a sala de roteiristas para ser analisada. Acho que seria necessário alguém como ele para recomeçarmos. É uma proposta interessante, ainda que eu não saiba se teremos todo mundo explodindo as cabeças dos outros com phasers e chamando Klingons de ‘Filhos da p*’, mas quem sabe, seria legal.”

Os rumores sobre Tarantino são o que de mais novo há de informação sobre o futuro da franquia “Star Trek” nos cinemas por enquanto. Muito ainda há de ser conversado antes de quaisquer definições, de acordo com o relato de Pegg.

Atualmente, o diretor se dedica à produção de seu nono filme, “Once Upon a Time in Hollywood“, que mostrará acontecimentos relevantes do ano de 1969, incluindo os assassinatos realizados pela Família Manson. O longa tem previsão de estreia para o dia 9 de agosto de 2019. O próximo “Star Trek”, entretanto, ainda não tem data de estreia confirmada.

A série “Fronteiras do Universo” acaba de contratar Dafne Keen, a X-23 de “Logan” e Lin-Manuel Miranda, responsável pelas músicas de “Moana”, e do vindouro “Mary Poppins Returns”, para integrar o elenco. As informações são do Deadline.

“Fronteiras do Universo” adaptará para a televisão a trilogia de livros homônima escrita por Philip Pullman. Os livros de fantasia “A Bússola de Ouro”, “A Faca Sutil” e a “Luneta Âmbar” acompanham Lyra Belacqua (Dafne Keen), uma garota de 12 anos que foi criada por na cidade universitária de Oxford, na Inglaterra, quando crianças começam a desaparecer misteriosamente, sequestradas por misteriosas pessoas que são chamadas de gobblers. O primeiro livro, “A Bússola de Ouro”, foi adaptado para os cinemas em 2007.

A série terá oito episódios e será produzida pela BBC One, Bad Wolf e a New Line Cinema. A Apple e a Netflix estão disputando os direitos para disponibilizar a adaptação mundialmente.

“Fronteiras do Universo” ainda não possui previsão de estreia.

A atriz mirim Dafne Keen, a Laura de Logan, estrelará a série de TV de Fronteiras do Universo, saga de livros do autor Philip Pullman. A triz viverá a protagonista Lyra, segundo o Deadline.

O site também confirma o ator Lin Manuel-Miranda (‘Moana’) no elenco. Ele viverá o piloto Lee Scoresby. E o diretor Tom Hooper (‘Os Miseráveis’) dirigirá ao menos 8 episódios.

Foram ao todo três livros publicados: ‘A Bússola de Ouro‘ (Northern Lights, 1995), ‘A Faca Sutil‘ (The Subtle Knife , 1997) e ‘A Luneta Âmbar‘ (The Amber Spyglass, 2000).

A saga de fantasia acompanha duas crianças, Lyra Belacqua e Will Parry, cujas histórias se entrelaçam durante suas aventuras por universos paralelos e uma guerra celestial envolvendo diversos mundos. Ciência, tecnologia, mágica, feiticeiras, ursos-polares falantes e gobblers são alguns dos elementos dos livros.

Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c

O primeiro livro foi adaptado aos cinemas em 2006, com o filme ‘A Bússola de Ouro‘ (His Dark Materials: The Golden Compass), que trazia Nicole Kidman, Daniel Craig, Eva Green, Eric Bana e Kevin Bacon em seu elenco. Com orçamento de US$ 180 milhões, o filme arrecadou apenas US$ 372 milhões mundialmente e encerrou a franquia.

A série será produzida pela Bad Wolf e New Line, ainda sem previsão de lançamento. Especula-se que a Apple e a Netflix estão na disputa para distribuir a série mundialmente.

O IV Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental (FFF), que acontece em Goiânia entre os dias 12 e 21 de abril, oferece espaço privilegiado de reflexão e crítica sobre as obras que serão exibidas nas diversas mostras que compõem o evento.

Para dezenas de novos críticos, esta é uma oportunidade de construir diálogos a partir de obras consagradas ou inéditas, de autores reconhecidos ou novatos, tendo como suporte a perícia e experiência de especialistas convidados, que conduzem esse trabalho de apreciação e análise, e de produção de novos conteúdos textuais.

As inscrições ficarão abertas até 7 de março, pelo site www.fronteirafestival.com. No próprio formulário de inscrição, o candidato deverá postar uma carta de apresentação, resumindo sua experiência crítica. Também será necessário indicar, no mínimo, 3 textos críticos publicados em qualquer veículo, meio ou contexto. Textos inéditos também serão aceitos, caso não haja publicações comprovadas.

Os encontros entre residentes e orientadores acontecem diariamente, entre 17 e 20 de abril, das 9h às 13 horas. Durante o trabalho, os selecionados terão a oportunidade de investigar mais profundamente os filmes das mostras e refletir acerca de problemas ligados à crítica de cinema, à arte e à cultura visual. Os participantes precisam estar presentes em todos os encontros e ter disponibilidade para acompanhar as exibições do Fronteira Festival. Cada crítico deverá produzir textos que serão publicados em um e-book, no site do festival, após o término da edição do Fronteira.

A quarta edição do Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental (FFF), que acontece em Goiânia, entre 12 e 21 de abril, abriu suas inscrições, até o dia 4 de janeiro, pelo site www.fronteirafestival.com, para trabalhos de cineastas de todas as partes do mundo.

O principal objetivo do Fronteira é difundir a produção audiovisual que desafia os limites de gêneros, propondo novos modos de percepção e apreensão do mundo, entendendo o cinema como prática política e artística. O Festival também busca a exibição de uma produção cinematográfica contemporânea que não está nos catálogos das grandes salas de exibição, mas que representa a diversidade e a riqueza do mundo audiovisual e apontam para um vislumbre do futuro do cinema enquanto arte viva, mutante e pulsante.

Para as mostras competitivas serão aceitos filmes de todo mundo, de todas as metragens e que tenham sido realizados a partir de janeiro de 2017. Cada realizador pode inscrever quantos filmes desejar, além de serem aceitas inscrições de filmes work-in-progress (que estejam em fase de montagem ou finalização). As inscrições são gratuitas. Os filmes inscritos também podem integrar mostras de caráter não competitivo.

O Troféu Fronteira será concedido para as seguintes categorias:

Longa-metragem: Melhor Filme- Júri Oficial; Prêmio Especial do Júri – Júri Oficial; Melhor Filme – Júri Popular.
Curta-metragem: Melhor Filme- Júri Oficial; Prêmio Especial do Júri – Júri Oficial; Melhor Filme – Júri Popular.

Em 2018, além das mostras competitivas de curta e longa-metragem, a comissão de seleção do IV Fronteira também fará a escolha dos filmes que irão compor a já tradicional Cadmo e o Dragão – mostra fixa dedicada a filmes desobedientes produzidos em Goiás. Esta mostra não tem caráter competitivo.