A série documental “Viagem de Bolso” percorre o Brasil através da literatura. Com os livros servindo de mapa e os escritores como guias, o apresentador-escritor Reinaldo Moraes, autor do ícone underground “Pornopopéia”, leva o espectador a embarcar em uma viagem por todas as regiões do país, entrelaçando com maestria as linguagens audiovisual e literária.

Com muita informalidade, vivenciamos como a cidade afeta a literatura e vice-versa, assim como acompanhamos os relatos da polêmica relação entre biografia e processo criativo. Navegando pelos igarapés de Manaus com Milton Hatoum (“Cinzas do Norte”), vendo um jogo do Grêmio com Michel Laub em Porto Alegre (“O Segundo Tempo”) ou percorrendo o Pelourinho com Ana Miranda em busca de vestígios do século XVII (“Boca do Inferno”), a série mergulha no universo dos escritores e revela a ficção e as histórias reais nas entrelinhas de cada lugar.

Em seus 13 episódios, a série conta ainda com os escritores Amara Moira, Carlos Brito, Carol Bensimon, Edyr Augusto, João Almino, Joca Terron, Luiz Ruffato, Mario Prata, Martha Batalha e Raimundo Carrero. Dirigida pela cineasta Lia Kulakauskas e produzida pela paulistana Mira Filmes, a série foi financiada pelo Fundo Setorial do Audiovisual/Ancine, em parceria com o canal de TV a cabo CINEBRASiLTV (157 da Sky).

A estreia será no dia 5 de agosto, às 22h30, com exibições de segunda à sexta, às 21h, e aos domingos, às 22h30.

A plataforma, que acontecerá de 11 a 15 de setembro, irá criar um ambiente com potencial de gerar negócios entre players e projetos de audiovisual comprometidos com a inserção de jovens realizadores de periferia no mercado e a ampliação do espectro de visões sobre as periferias brasileiras. A plataforma possui quatro linhas de ação: 1 – Clínica, onde 80 projetos em qualquer formato (curta, longa, série) e gênero (ficção e doc.) receberão uma mentoria individual de desenvolvimento. 2 – Pitching, no qual 10 projetos mais bem qualificados na seleção serão apresentados à uma banca com representantes de canais de TV, especialistas e profissionais do mercado e concorrerão à uma premiação. Os projetos passarão por um warm-up (aquecimento) e uma Masterclass sobre técnicas de apresentação em pitching. 3 – Rodadas de Negócio, onde os projetos clinicados, com maior potencial de gerar negócios, também serão indicados para encontros com canais e financiadores em potencial. E 4 – Palestras com profissionais do mercado e especialistas.

O Visões Lab oferece uma oportunidade única para os players do mercado de entrarem em contato com realizadores e projetos de audiovisual que trazem um olhar inovador sobre temas ligados às periferias brasileiras e que, portanto, possuem um forte potencial de gerar negócios e impactar positivamente o cenário audiovisual brasileiro.

As inscrições devem ser feitas através do site www.visoesperifericas.org.br.

Diretores e produtores do audiovisual em todo o Brasil têm somente até o dia 15 de agosto para inscrever suas produções na 13ª edição do Festival de Cinema e Vídeo do Tocantins – Chico. Não haverá prorrogação do período de inscrições e o festival acontecerá de 25 a 29 de setembro, no Cine Cultura, no Espaço Cultural em Palmas. As inscrições deverão ser realizadas através do formulário de inscrição devidamente preenchido na plataforma www.festivalchico.com.

Faltam apenas 15 dias para o final do período de inscrições e o Festival já recebeu um total de 363 inscrições para as mostras competitivas e especiais. De acordo com a diretora executiva do festival, Juliane Almeida, há inscrições de realizadores de todas as regiões brasileiras, sendo mais de 80% dos filmes inscritos para a categoria Mostra Brasil, de realizadores nascidos ou residentes no Brasil. As inscrições enviadas, até o momento, de vídeos locais ainda é pequena, porém, foi disponibilizada uma categoria específica, a Mostra Tocantins.

As mostras competitivas são divididas em Mostra Tocantins e Mostra Brasil, e as Mostras Especiais compreendem Mostra Infâncias e Mostra Regional. O regulamento completo pode ser conferido na página oficial do evento – www.festivalchico.com.

Os filmes indicados pelo Júri Técnico na Mostra Tocantins serão premiados com o Troféu Chico 2018 nas categorias: Melhor Direção, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia e Melhor Edição. Além da premiação com o troféu, o Júri Técnico concede o Prêmio Especial ao Melhor Filme da Mostra Tocantins, destinado ao produtor do filme, com uma residência artística internacional em festival de cinema realizado na América Latina. Este Júri também concede à Mostra Brasil o Troféu Chico 2018 para o Melhor Filme desta categoria junto à Residência Artística Internacional, sendo esta destinada ao Produtor ou Diretor do filme. A empresa Mistika Post oferecerá um prêmio especial para o Melhor Diretor do Tocantins, sendo R$ 4 mil em serviços de pós-imagem.

Os filmes selecionados na Mostra Competitiva do 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foram divulgados: 9 longas e 12 curtas-metragens disputarão o Troféu Candango na principal mostra do mais longevo festival de cinema do Brasil. Os filmes foram escolhidos entre 742 habilitados para esta edição, após uma análise criteriosa onde se destacou a pungência da produção nacional, e serão exibidos entre os dias 14 e 23 de setembro.

Entre os longas-metragens, foram selecionados três filmes de São Paulo e dois de Minas Gerais. Bahia, Distrito Federal, Pernambuco e Rio de Janeiro têm um representante cada. A categoria de curtas traz quatro produções paulistas, três pernambucanas e duas cariocas. Minas, DF e Ceará aparecem com um concorrente cada.

A comissão de seleção foi escolhida pela direção artística do festival, assinada por Eduardo Valente. Desta, quatro convidados foram responsáveis pela escolha dos nove longas que participam da Mostra Competitiva. Participaram da seleção a professora e pesquisadora Beatriz Furtado; a cineasta e coordenadora do FestUni Brasília Érika Bauer; o escritor e cineasta Erly Vieira Jr; e o crítico de cinema e curador Heitor Augusto.

A seleção dos curtas ficou à cargo da professora e pesquisadora Amaranta Cesar; da pesquisadora e curadora Janaína Oliveira; do programador e editor Leonardo Bonfim; e da produtora e curadora Thay Limeira.

Os concorrentes ao celebrado Troféu Candango receberão cachês de seleção distribuídos igualitariamente. Os longas-metragens selecionados recebem R$ 15.000,00 cada; os longas participantes de Sessão Especial Hors Concour recebem R$ 10.000,00 (ainda não divulgados); e os curtas-metragens ganham R$ 5.000,00.

Além dos cachês de seleção, o melhor filme de longa-metragem escolhido pelo júri popular receberá o Prêmio Petrobras de Cinema, que consiste em R$ 200.000,00 em contratos de distribuição.

A programação completa, com todas as novidades do Festival de Brasília, será divulgada na coletiva de imprensa a ser realizada em 8 de agosto, no Cine Brasília. Neste momento, serão anunciadas as mostras paralelas, atividades do Ambiente de Mercado, entre outras ações.

Confira a lista completa dos selecionados para a Mostra Competitiva do 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro:

Filmes de Longa-metragem

  1. Bixa Travesty, de Claudia Priscilla e Kiko Goifman (SP), documentário

  2. Bloqueio, de Quentin Delaroche e Victória Álvares (PE), documentário

  3. Ilha, de Ary Rosa e Glenda Nicácio (BA), ficção

  4. Los Silencios, de Beatriz Seigner (SP/Colômbia/França), ficção

  5. Luna, de Cris Azzi (MG), ficção

  6. New Life S.a., de André Carvalheira (DF), ficção

  7. A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida (SP), ficção

  8. Temporada, de André Novais Oliveira (MG), ficção

  9. Torre das Donzelas, de Susanna Lira (RJ), documentário

Filmes de Curta-metragem

  1. Aulas que Matei, de Amanda Devulsky e Pedro B. Garcia (DF), ficção

  2. Boca de Loba, de Bárbara Cabeça (CE), ficção

  3. Br3, de Bruno Ribeiro (RJ), ficção

  4. Conte Isso Àqueles que Dizem que Fomos Derrotados, de Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo e Pedro Maia de Brito (PE/MG), documentário

  5. Eu, minha Mãe e Wallace, de Irmãos Carvalho (SP/RJ), ficção

  6. Guaxuma, de Nara Normande (PE), animação

  7. Kairo, de Fabio Rodrigo (SP), ficção

  8. Liberdade, de Pedro Nishi e Vinicius Silva (SP), documentário

  9. Mesmo com Tanta Agonia, de Alice Andrade Drummond (SP), ficção

  10. Plano Controle, de Juliana Antunes (MG), ficção

  11. Reforma, de Fábio Leal (PE), ficção

  12. Sempre Verei Cores no seu Cinza, de Anabela Roque (RJ), documentário

Acabaram as filmagens da cinebiografia de Allan Kardec, longa baseado no best-seller de Marcel Souto Maior. Depois de uma semana de trabalho em Paris, equipe e elenco rodaram por cinco semanas no Rio de Janeiro. Para reproduzir a Cidade Luz do meio do século XIX, foram escolhidas locações como o Palácio do Itamaraty, a Fortaleza de Santa Cruz, o Centro Cultural da Justiça Eleitoral e o Teatro Municipal de Niterói.

“Kardec” tem produção da Conspiração (“2 Filhos de Francisco”, “Gonzaga – de Pai Pra Filho”, “Lope”), distribuição da Sony Pictures e é dirigido por Wagner de Assis (“Nosso Lar”, “Menina Índigo”).

Leonardo Medeiros é o protagonista Hypolite Leon Denizard Rivail, reconhecido depois como Allan Kardec, o educador francês nascido em 1804 que decodificou o espiritismo a partir de 1857.

Com lançamento previsto para 2019, a produção tem ainda no elenco nomes como Sandra Corveloni (Amélie-Gabrielle Boudet), Guilherme Piva (Didier), Genézio de Barros (Padre Boutin), Guida Vianna (Madame De Plainemaison), Julia Konrad (Ruth-Celine), Charles Fricks (Charles Baudin), Licurgo Espinola (Sr. Babinet), Letícia Braga (Julie), Julia Svacina (Caroline), Dalton Vigh (Sr. Dufaux) e Louise D’Tuani (Ermance Dufaux).

O roteiro de L.G. Bayão (“Irmã Dulce”, “Heleno” e “Minha Fama de Mau”) e Wagner de Assis acompanha a trajetória de Kardec desde o período em que atuava como educador, passando pela investigação dos fenômenos, pelo processo de codificação da doutrina espírita, até a publicação e repercussão de “O Livro dos Espíritos”.