Hilário! O ator Chris Pratt revelou que Tom Holland, conhecido por ter a língua solta, soube a trama de ‘Jurassic World: Reino Ameaçado‘ primeiro e ainda contou o plot inteiro da sequência para ele.

Holland é amigo do diretor J.A. Bayona, com quem trabalhou no filme ‘O Impossível‘.

Confira:

A Universal Pictures pode comemorar: ‘Jurassic World: Reino Ameaçado‘ é um sucesso no mercado internacional.

A sequência registrou US$ 146 milhões em seu final de semana de abertura em 48 países, incluindo Coréia do Sul, Russia, Índia, Taiwan e Reino Unido e Irlanda.

O filme se tornou o número 1 em todos os países em que foi lançado.

É impossível  compará-lo com os números de ‘Jurassic World‘, lançado em 2015, por ele ter aberto em um número maior de países.

Vale lembrar que  ‘Jurassic World: Reino Ameaçado‘ estreia dia 15 de junho na China, e 22 de Junho nos EUA.

[SPOILERS] O que acontece na cena pós-créditos de ‘Jurassic World: Reino Ameaçado’ 

Nos EUA, a expectativa é que o filme arrecade em torno de US$ 140 milhões em sua estreia.

Jurassic World: Reino Ameaçado, com direção de J.A. Bayona (‘O Orfanato’), tem estreia marcada para 21 de junho de 2018 no Brasil.

Ficou curioso? A nossa crítica já está disponível: Crítica | Jurassic World: Reino Ameaçado – O filme mais assustador da franquia

 



Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c

Mãe, escritora, editora, médica. Antes de Gilead ser o que se tornou, a América era um país repleto por figuras femininas diversas, assim como uma série de países onde a escolha é realmente uma opção de vida. Mas com uma nova ordem em vigor, novos princípios nascem, sendo uns angustiantes, outros ainda mais sufocantes. Na narrativa de The Handmaid’s Tale, o papel da mulher é completamente anulado ao ser reduzido a uma doentia escravização sexual mascarada de impulso à natalidade. E em meio a discussões profundas sobre um doloroso histórico real de rejeição feminina, entremeado a uma regressão emblemática atual no seio da trama, a série traz um elemento até então novo: a necessidade latente em toda e qualquer mulher de se posicionar.

Leia também nossas análises dos episódios 1 (June), 2 (Unwomen) da 2ª Temporada , 3 (Baggage), 4 (Other Women), 5 (Seeds), 6 (First Blood)

Não se trata de mostrar a que veio ou provar o seu valor para o mundo. Mas em um universo onde a mulher é reduzida aos seus atributos físicos e ao tipo de coisas que ela pode ofertar em virtude disso, se posicionar é tão natural quanto respirar. É inerente, é necessário. E no episódio ‘Women’s Work’, um leque diverso de mulheres se apresenta diante da audiência, mostrando aquelas rachaduras substanciais existentes no sistema ditatorial de Gilead. E embora suas vozes tenham sido submetidas a meros ‘sim’ e ‘não’ e seus rostos estejam prostrados em direção ao chão, elas ainda podem ser ouvidas e vistas. Porque assim como é natural para ela se posicionar, se destacar vem a galope – quer goste ou não.

Um dos aspectos mais cativantes do oitavo capítulo da produção de Bruce Miller é justamente o fato de ele evidenciar a necessidade de se caminhar adiante na trama. A aceitação do efeito anestésico de se anular pode perdurar até certo tempo, mas não se perpetua jamais. A natureza avassaladora de quem quer decidir se manifesta assim como manifesta sua revolta. Em ‘Women’s Work’, a fagulha nascida no coração de Serena (Yvonne Strahovski) cresce, exatamente como uma pequena rachadura que quase passou despercebida, até que atingiu proporções magnânimas. O peso de suas escolhas e de seu conceito desvirtualizado de sobrevivência nacional começam a recair sob os seus ombros, pesando e ardendo como as chibatadas de um chicote – ou cinto de fivela. A maldição que proferiu com seus lábios passa a derramar sobre si, gerando na personagem um conflito torturante, mas ironicamente revigorante.

The Handmaid’s Tale’: Falamos com Bruce Miller, o criador da série sensação

E dentro desse cenário, onde os questionamentos que a audiência nutriu durante toda a primeira temporada, começam a ganhar vida dentro da tela, June emerge como uma doce, delicada e potente voz compassiva. Contrariando todos os traumas óbvios de seu contexto, ela demonstra o grau de misericórdia que só Cristo teve. Abdicando-se de sua própria dor e sucessivas perdas, ela é o sopro de compaixão que queríamos nutrir pelo outro, mostrando uma camada de vulnerabilidade, cuidado e bravura ainda mais profunda. E em um roteiro que especificamente se desabrocha em cinco pequenas narrativas femininas, dimensionamos o valor e força que a mulher tem nos contextos onde foi inserida. Ainda que em meio a tragédias, ela se sobressai, seja pelo amor transcendental de quem carregou um filho no ventre, seja por sua dedicação profissional.

A cada novo episódio, The Handmaid’s Tale se destrincha de maneiras surpreendentes, indo muito mais além dos círculos viciosos de agressão e opressão de Gilead, nos permitindo quase nos transformar em espectadores oniscientes. Irradiando uma expressividade intrínseca à atrizes completamente entregues a suas respectivas personagens, cercadas por uma estética em tons de cinza que brilha com os feixes de luz natural que ainda insistem em penetrar ambientes pouco arejados, a produção da Hulu segue nos levando a uma viagem hipnotizante, desmembrando seus protagonistas com densidade e substancialismo.

 

 



Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c

De acordo com o TVLine, Jeremy Jordan não fará mais parte do elenco fixo da série ‘Supergirl‘ na 4ª temporada. No entanto, o ator continuará aparecendo em caráter recorrente.

“Nós amamos o Jeremy, e, apesar dele não estar em todos os episódios, nós não estaremos dando adeus ao seu personagem,” revelaram os produtores executivos Robert Rovner e Jessica Queller. “Nós já estamos criando ótimas histórias para ele no momento, e acreditamos que os fãs ficarão animados com o que os esperam.”

Confira o trailer e fotos promocionais do último episódio da terceira temporada:

Supergirl é transmitida no Brasil pelo canal pago Warner Channel.



Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c

Jurassic World: Reino Ameaçado‘ teve uma abertura grandiosa na China e arrecadou SENSACIONAIS US$ 111,9 milhões no fim de semana, somando mais de US$ 370 milhões mundialmente.

Trata-se da segunda maior abertura do ano na China, atrás apenas de ‘Vingadores: Guerra Infinita’, e é atualmente a quarta melhor abertura de todos os tempos por lá.

Apesar de ter ficado aquém da projeção de US$ 125 milhões, espera-se que receba um grande impulso amanhã, graças ao feriado do Festival do Barco de Dragão, o que significa que deve arrecadar outros US$ 25 milhões a US$ 30 amanhã.

Vale lembrar que  ‘Jurassic World: Reino Ameaçado‘ estreia dia 22 de Junho nos EUA.

[SPOILERS] O que acontece na cena pós-créditos de ‘Jurassic World: Reino Ameaçado’ 

Nos EUA, a expectativa é que o filme arrecade em torno de US$ 140 milhões em sua estreia.

Ficou curioso? A nossa crítica já está disponível: Crítica | Jurassic World: Reino Ameaçado – O filme mais assustador da franquia

 



Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c

Jurassic World: Reino Ameaçado‘ já está em exibição nos cinemas nacionais, e muitas pessoas acabaram saindo do cinema antes da comentada cena pós-créditos… Mas nós contamos para você!

 

 

[NÃO CONTINUE SE NÃO QUISER LER SPOILERS]

O Radio Times divulgou os detalhes cheios de spoilers sobre o que esperar da cena:

[SPOILERS]

“A cena pós-créditos começa onde o filme termina, com vários dinossauros escapando do cativeiro em uma mansão na Califórnia e entrando no mundo humano pela primeira vez. Vemos o T-Rex invadindo um zoológico e enfrentando um leão, o velociraptor Blue correndo em um vilarejo e o mosossauro que morava no mar se preparando para comer algum surfista em uma gigantesca onda – e a cena pós-créditos nos mostra uma outra espécie no mundo real. A cena se abre com um grupo de pterossauros, livres do parque, voando em torno do que parece ser o topo de um arranha-céu ou uma torre de rádio.

À medida que a câmera se afasta, no entanto, rapidamente fica claro que eles estão se agitando em torno da réplica da Torre Eiffel que fica em Las Vegas.”

A nossa crítica já está disponível: Crítica | Jurassic World: Reino Ameaçado – O filme mais assustador da franquia

 



Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » https://goo.gl/mPcJ5c