A ANCINE e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) divulgaram uma nova rodada de investimentos em projetos selecionados entre os inscritos em chamadas públicas do Programa Brasil de Todas as Telas que operam em fluxo contínuo. Os recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), totalizando R$ 7,2 milhões, irão beneficiar a produção de quatro obras seriadas para exibição na TV (duas documentais, uma de animação e uma ficcional) e três longas-metragens para as salas de exibição, incluindo uma coprodução com a Argentina e uma outra parceria com produtoras cubanas e nicaraguenses.

Pela Chamada Pública PRODAV 01/2013, quatro produções foram contempladas: as documentais “Palavras Permanecem”, de Renata Druck, e “Mobilis”, de Sergio Roizenblit e Tide Gugliano, com exibição prevista para o Canal Curta!; a segunda temporada da série animada “O Baú do Lu”, de Victor Hugo Borges, para a TV Brasil; e a ficção “Sempre POA”, de Gustavo Fogaça, para o canal Prime Box Brazil.

Outra chamada que teve projetos contemplados anunciados foi a PRODECINE 06/2015, que investe em longas-metragens coproduzidos com países latino-americanos nas quais o Brasil seja parte minoritária. Receberão recursos o documentário “Estática Milagrosa”, de Noelia Lacayo e Gustavo Vinagre, coprodução com produtoras de Cuba e da Nicarágua; e a ficção “Invisible”, de Pablo Giorgelli, esta em uma parceria com a Argentina.

Fechando a lista, o longa-metragem “O Segredo de Davi”, suspense de Diego Freitas, receberá investimentos para a complementação de recursos da produção por meio da Chamada Pública PRODECINE 04/2013.

Confira abaixo mais informações sobre os projetos selecionados: 

PRODAV 01/2013 

“Palavras Permanecem” – Série documental
Produtora: Big Bonsai Brasilis Produções Artísticas Culturais e Cimematográficas (SP)
Programadora: Canal Curta!
Direção: Renata Druck
Roteiro: Luis Ludmer e Renata Druck
Valor investido pelo FSA: R$ 478 mil
Sinopse: Série documental em seis episódios de 26 minutos. Cada episódio será guiado pelo diálogo e pela troca de ideias e experiências entre duas personalidades da cultura brasileira, como, por exemplo, Arnaldo Antunes e Antônio Cícero, José Miguel Wisnik e Ná Ozetti, Gabriel Mascaro e Marcelo Gomes, entre outros. Através do diálogo entre os artistas convidados, o projeto adentra a literatura, a palavra escrita, as artes visuais, seja na parede, na tela, a palavra falada, cantada, seus sons, seus dilemas.

“Sempre POA” – Série de ficção
Produtora: Santa Produção de Filmes (RS)
Programadora: Prime Box Brazil
Direção e Roteiro: Gustavo Fogaça
Valor investido pelo FSA: R$ 1,2 milhão
Sinopse: O falecimento do pai, seu Toninho do Alto da Bronze, faz com que os três filhos, Júnior, Jaqueline e Cláudio, voltem a Porto Alegre depois de muitos anos para despedir-se. Em 48 horas, passarão por diversas situações inusitadas e imprevisíveis, em um processo de reconexão com sua família, sua cidade e suas origens. Uma série de comédia de costumes que valoriza as conexões humanas em torno do ambiente vivo e orgânico de uma cidade.

“O Baú do Lu – segunda temporada” – Série de animação
Produtora: Neoplastique Entretenimento (SP)
Programadora: TV Brasil
Direção: Victor Hugo Borges
Roteiro: Arthur Warren
Valor investido pelo FSA: R$ 3,5 milhões
Sinopse: Segunda temporada de série de animação, com 65 episódios de 7 minutos cada, voltada para crianças em idade pré-escolar. O tema central da série é o estímulo à imaginação da criança e sua capacidade de, através de elementos lúdicos, construir um entendimento ordenado do mundo. Lu é um menino alegre e inventivo que construiu uma floresta colorida usando palitos de sorvete, pedacinhos de tecido e recortes de papel. Em seu triciclo, Lu passeia pelo seu pequeno mundo carregando um baú onde vivem seus amigos Mini-Mini, um adorável monstrinho, e Zorbo, um robô muito inteligente.

“Mobilis” – Série documental
Produtora: Miração Filmes (SP)
Programadora: Canal Curta!
Direção: Sergio Roizenblit e Tide Gugliano
Roteiro: Pedro Vicente
Valor investido pelo FSA: R$ 847 mil
Sinopse: Mobilis é uma série documental para TV sobre transporte e mobilidade urbana, com a participação de especialistas em conversas gravadas a bordo de ônibus, carros, trens e outras possibilidades de locomoção pela urbanidade. Uma investigação em 13 episódios dedicada a esclarecer fatos e desfazer mitos e preconceitos sobre o tema, definindo limites e possibilidades, em linguagem dinâmica e acessível.

PRODECINE 04/2013

“O Segredo de Davi” – Longa-metragem de ficção
Proponente: Parakino Produções (SP)
Distribuidora: Elo Company
Direção e Roteiro: Diego Freitas
Valor investido pelo FSA: R$ 799 mil
Sinopse: Um suspense psicológico que traz a história de Davi, um garoto órfão de 20 anos de idade, que esconde um passado sombrio. Quando Davi inicia uma conturbada amizade com Jônatas, o novo aluno da faculdade, um instinto esquecido vem à tona e o transforma em um serial killer famoso na internet.

PRODECINE 06/2015

“Estática Milagrosa” – Longa-metragem documental
Produtora: Vitrine Filmes (SP)
Distribuidora: Vitrine Filmes
Direção: Noelia Lacayo e Gustavo Vinagre
Roteiro: Noelia Lacayo
Valor investido pelo FSA: R$ 150 mil
Sinopse: Cuba hoje, a vida de três personagens que se sustenta por uma ilusão frágil que se resiste a cair, como os edifícios em “estática milagrosa”. Coprodução com Cuba e Nicarágua.

“Invisible” – Longa-metragem de ficção
Produtora: Sancho Filmes (SP)
Distribuidora: Vitrine Filmes
Direção: Pablo Giorgelli
Roteiro: Pablo Giorgelli e Laura Gargarella
Valor investido pelo FSA: R$ 250 mil
Sinopse: Coprodução com as produtoras argentinas Tarea Fina e Aire Cine. Ely tem 17 anos e vive com sua mãe, Susana, em um pequeno apartamento de um bairro de conjuntos habitacionais. Já faz um tempo que Susana praticamente não sai à rua, passa o dia em seu quarto fumando em frente à televisão. A relação entre elas quase se reduziu ao intercâmbio de umas poucas palavras durante a noite, quando Ely chega do trabalho. Ely está secretamente apaixonada por um homem mais velho: Raúl é casado, tem dois filhos e é seu chefe na veterinária onde trabalha. Quando se dá conta de que está grávida, seu mundo interior explode, embora por fora Ely se empenhe em sustentar sua rotina como se nada estivesse ocorrendo.

As inscrições para a 14ª edição do Cineamazônia foram prolongadas até o dia 10 de julho, pela página do festival, www.cineamazonia.com.br/ficha-de-inscricao-2016.

Único festival amazônico que tem o meio ambiente como tema central e transversal, o Cineamazônia traz como novidade este ano o fato de que, no prêmio de Melhor Longa Metragem, principal premiação da noite, concorrerão apenas documentários.

Na edição de 2016, o Cineamazônia será realizado mais cedo, entre os dias 23 e 27 de agosto, em Porto Velho (RO). Documentário, ficção, animação e filme experimental são as categorias que podem concorrer ao troféu Mapinguari.

Além do formulário preenchido, os interessados também devem enviar o filme exclusivamente via internet, através das plataformas Wetransfer, Vimeo, Youtube, Dropbox ou outra mídia digital similar. Os filmes também poderão ser enviados para o e-mail cineamazonia@hotmail.com.

Encontra-se em Consulta Pública, até o dia 1º de agosto, a minuta de uma nova Instrução Normativa que dispõe sobre as normas gerais e critérios básicos de acessibilidade visual e auditiva a serem observados nos segmentos de distribuição e exibição cinematográfica.

A minuta em consulta, que regulamenta o provimento de recursos de acessibilidade, prevê a adequação das salas de exibição à tecnologia assistiva voltada à fruição de recursos de legendagem, legendagem descritiva, audiodescrição e LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais.  De acordo com o texto do normativo, o distribuidor deverá disponibilizar ao exibidor cópia de todas as obras audiovisuais por ele distribuídas, com os mesmos recursos de acessibilidade, no prazo de seis meses, a partir da publicação da norma.

Para o exibidor, os prazos de carência para cumprimento da obrigação variam em função do tamanho do grupo exibidor, e preveem a cobertura integral do parque exibidor comercial no prazo de 2 anos, a partir da publicação da norma.  O quantitativo mínimo de equipamentos e suportes individuais voltados à promoção da acessibilidade visual e auditiva varia em função do tamanho do complexo.

Entre outras questões apontadas na consulta está a modalidade que será utilizada para o acesso ao conteúdo audiovisual. A minuta da IN propõe que o acesso seja fechado e individual, ou seja, a solução deve permitir o acionamento e desligamento dos recursos de acessibilidade, e possibilitar que o acionamento impacte apenas uma parcela dos espectadores.

Para participar da consulta é preciso acessar o Sistema de Consultas Públicas e se cadastrar. Dúvidas sobre o funcionamento do sistema devem ser encaminhadas para ouvidoria.responde@ancine.gov.br.