A ANCINE divulgou os dez longas-metragens selecionados pela delegada para a América Latina do Festival de Veneza, Violeta Bava, entre os inscritos na 15ª edição do Programa Encontros com o Cinema Brasileiro. A curadora assistirá aos filmes em sessões exclusivas entre os dias 3 e 5 de maio, na Cinemateca do MAM, no Rio de Janeiro.

Violeta Bava selecionou os seguintes títulos:

“O Animal Cordial”, de Gabriela Amaral Almeida (RT Features)
“Canção da Volta”, de Gustavo Rosa de Moura (Mira Filmes)
“A Cidade do Futuro”, de Cláudio Marques e Marília Hughes (Coisa de Cinema)
“Elon Não Acredita na Morte”, de Ricardo Alves Jr. (Entre Filmes)
“Era o Hotel Cambridge”, de Eliane Caffé (Aurora Filmes)
“Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira (Okna Produções)
“Não Devore meu Coração”, de Felipe Bragança (Duas Mariola Filmes)
“Para Ter Onde Ir”, de Jorane Castro (Cabocla Filmes)
“Pequeno Reino”, de Nicolas Thomé Zetune (Fratura Filmes e Filmes de Amor)
“Vermelho Russo”, de Charly Braun (Waking Up Films Muiraquitã Filmes)

Cinco dos dez filmes selecionados foram realizados por empresas produtoras associadas ao Programa Cinema do Brasil, parceiro do Encontros. Os longas foram selecionados diretamente pela curadora, a partir dos teasers e das informações fornecidas pelas inscrições no programa. Para além das sessões, a curadora tem a oportunidade de montar sua própria agenda de encontros com produtores e realizadores brasileiros.

Está prevista para a próxima semana a divulgação da lista de filmes selecionados pela curadoria do Festival de Locarno. Excepcionalmente nesta edição, a equipe do Festival suíço verá os filmes à distância. Os longas selecionados ganham isenção na taxa de inscrição no festival.

Estão abertas, até 25 de maio, as inscrições para o edital de produção de curta-metragem da empresa de cinema e audiovisual de São Paulo, a Spcine. O foco do edital é a diversidade de linguagens e de realizadores contemplados. O aporte é de R$ 1,8 milhão e, pelo menos, 30 projetos serão escolhidos.

O programa é dividido em três linhas com enfoques, respectivamente, em técnicas de animação, ficção live action/documentário e curta experimental/cinema imersivo. Os valores são de R$ 80 mil, R$ 60 mil e R$ 40 mil para cada um dos proponentes aprovados conforme a linha do edital. Em cada categoria, serão escolhidos, pelo menos, cinco projetos. O tempo de execução varia de quatro a oito meses, dependendo do formato.

A Spcine reservou ainda outros R$ 100 mil para uma linha de distribuição de curtas-metragens dentro do Circuito Spcine de Cinema, projeto que está transformando 20 espaços educativos e culturais de São Paulo – incluindo 15 CEUs – em salas de cinema. A proposta é exibi-los regularmente antes do filme em cartaz, logo após as vinhetas de abertura. Os curtas escolhidos para esta linha não serão necessariamente os contemplados pelo edital.

O primeiro item a ser pontuado no edital é a qualidade artística do projeto, com 80% do peso. Mas há algo novo que visa dar equilíbrio social na escolha dos proponentes: a incorporação de critérios para enfrentar a desigualdade dos indicadores sócio-culturais do Brasil – que se refletem na oportunidade de filmar e ter acesso a recursos públicos de financiamento. Um deles é a paridade de gênero, com mulheres e homens integrando, em mesmo número, o corpo de jurados e a quantidade de criadores selecionados ao fim do edital.

Além disso, entre os 30 premiados haverá, necessariamente, pelo menos dez cineastas negros, um(a) índio(a), um homem ou mulher transgênero e/ou travesti, e uma pessoa com mobilidade reduzida e/ou com deficiência. Terão maior pontuação projetos cujos autores morem em lugares de maior vulnerabilidade social. A única condição é residir na cidade de São Paulo.

O processo do edital conta com duas fases. A primeira é direcionada ao criador, que pode se inscrever como pessoa física, encaminhar o projeto em forma de vídeo, com duração máxima de três minutos, e responder questões como tema, em qual linha se enquadra, qual a condução narrativa e se faz parte de algum dos públicos do edital. A plataforma de inscrição está disponível no site spcultura.prefeitura.sp.gov.br/projeto/1702.

Depois de escolhidos, os realizadores precisam se associar a uma empresa produtora para participar da segunda fase do edital. Quem tiver registro de MEI (Microempreendedor Individual) também pode receber o recurso, desde que o foco da empresa seja cultural.

Na primeira etapa, o corpo de jurados avalia potencial criativo, inovação, experimentação e territorialidade. Setenta projetos são pré-selecionados e participam, automaticamente, de atividades de formação e suporte aos realizadores. É feita uma escolha final do júri, e os 30 premiados recebem o aporte financeiro e o direito a participar do Laboratório de Convergência – COLAB – para Debate Criativo.

O programa de fomento é fruto de um intenso processo de diálogo com entidades representativas do setor, com destaque para a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas de São Paulo (ABD-SP), Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) e Era Transmídia.

O edital é uma realização da Spcine, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, e apoio das secretarias municipais de Direitos Humanos e Promoção da Igualdade Racial.

Mais informações sobre o edital no telefone (11) 4571-0562 ou pelo email duvidasedital.spcine@gmail.com. O atendimento é das 10h às 18h.

A ANCINE e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), agente financeiro do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), abriram as inscrições para três editais binacionais de coprodução do Programa Brasil de Todas as Telas, lançados em parceria com as instituições cinematográficas de Portugal, da Argentina e do Uruguai. No total, as três chamadas públicas preveem investimentos equivalentes a 1,9 milhão de dólares em dez projetos de longas-metragens de ficção, documentário ou animação.

No Brasil, concorrem os projetos apresentados por produtoras brasileiras que participem na condição de coprodutoras minoritárias. As inscrições devem ser realizadas pelo Sistema FSA. Os projetos com participação majoritária brasileira devem ser apresentados por seus parceiros estrangeiros aos editais lançados simultaneamente pelo INCAA – Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales, na Argentina; pelo ICA – Instituto do Cinema e do Audiovisual, em Portugal; e pelo ICAU – Instituto de Cinema y Audiovisual, no Uruguai.

A ANCINE disponibilizou o e-mail editais.internacionais@ancine.gov.br para esclarecer dúvidas dos interessados sobre o processo seletivo.

Os três novos editais se juntam à Chamada Pública PRODECINE 06/2015, em operação na modalidade fluxo contínuo desde maio do ano passado, que apoia projetos minoritários brasileiros em parceria com produtoras de 19 países latino-americanos.

O lançamento dos editais binacionais aconteceu dentro do prazo previsto pelo Calendário de Financiamento da ANCINE, cronograma oficial de lançamento dos editais geridos pela Agência até dezembro de 2016.

Confira abaixo os detalhes sobre as três chamadas públicas de investimento em longas-metragens em regime de coprodução:

Chamada Pública PRODECINE 07/2016 – Coprodução Argentina-Brasil

Período de Inscrições: 28 de abril a 14 de junho

Seleção de dois projetos de longa-metragem de ficção, documentário ou animação apresentados à ANCINE (FSA) por empresas produtoras brasileiras que participem dos projetos na qualidade de coprodutoras minoritárias, visando à contratação de operações financeiras pelo FSA, exclusivamente, na forma de investimento, no valor de US$ 250 mil cada.

Simultaneamente, será realizado concurso na Argentina nos mesmos moldes para a seleção de dois projetos apresentados ao INCAA por empresas produtoras argentinas que participem dos projetos na qualidade de coprodutoras minoritárias, que receberão do INCAA o valor de US$ 200 mil cada. No caso destes projetos selecionados pelo INCAA, o FSA investirá também o valor de US$ 50 mil cada, por meio de contrato com as coprodutoras majoritárias brasileiras.

Chamada Pública PRODECINE 08/2016 – Coprodução Portugal-Brasil

Período de Inscrições: 28 de abril a 21 de junho

Seleção de dois projetos de longa-metragem de ficção, documentário ou animação apresentados à ANCINE (FSA) por empresas produtoras brasileiras que participem dos projetos na qualidade de coprodutoras minoritárias, visando à contratação de operações financeiras pelo FSA, exclusivamente, na forma de investimento, no valor de US$ 150 mil cada.

Simultaneamente, será realizado concurso em Portugal nos mesmos moldes para a seleção de dois projetos apresentados ao ICA-IP por empresas produtoras portuguesas que participem dos projetos na qualidade de coprodutoras minoritárias, que receberão do ICA-IP o valor de US$ 150 mil cada.

Chamada Pública PRODECINE 09/2016 – Coprodução Uruguai-Brasil

Período de Inscrições: 28 de abril a 28 de junho

Seleção de um projeto de longa-metragem de ficção, documentário ou animação apresentado à ANCINE (FSA) por empresa produtora brasileira que participe do projeto na qualidade de coprodutora minoritária, que receberá da ANCINE, visando à contratação de operações financeiras pelo FSA, exclusivamente, na forma de investimento, no valor de US$ 150 mil.

Simultaneamente, será realizado concurso no Uruguai nos mesmos moldes para a seleção de um projeto apresentado ao ICAU por empresa produtora uruguaia que participe do projeto na qualidade de coprodutora minoritária, que receberá do ICAU o valor de US$ 100 mil. No caso deste projeto selecionados pelo ICAU, o FSA investirá também o valor de US$ 50 mil por meio de contrato com a coprodutora majoritária brasileira.

Estão abertas as inscrições para produtores interessados em participar das Rodadas de Negócio e dos debates da Minas Gerais Audiovisual Expo (MAX). O evento, que acontecerá entre os dias 1º e 5 de junho, tem por objetivo incentivar a geração de negócios audiovisuais.

Serão cinco dias de debates, exibição de filmes, exposição de artes visuais e mais de 500 encontros na Rodada de Negócios organizada pelo Sebrae, que tem abrangência nacional e é aberta a realizadores de todos os Estados. Em pauta, destacam-se a criação digital e os novos canais de comunicação, inovações tecnológicas, locações, comercialização e difusão de conteúdos, entre outros temas relevantes para o segmento.

Informações e inscrições poderão ser obtidas por meio do site www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br e na Casa da Economia Criativa do Sebrae Minas (R. Santa Rita Durão, 1275 – Funcionários, Belo Horizonte).

 

Guerra do Velho, escrito por John Scalzi – um dos maiores nomes da ficção científica contemporânea, vencedor dos prêmios Hugo e Locus –, chega ao Brasil publicado pela Editora Aleph. O livro, primeiro volume da saga homônima, foi adaptado para a televisão, tornando-se a série Ghost Brigades, que será transmitida pelo canal Syfy nos Estados Unidos.

Scalzi é atualmente um dos mais importantes, e mais bem pagos, escritores da ficção científica. Em 2015, assinou um contrato de U$ 3,4 milhões com a editora Tor Books para publicar 13 livros nos próximos 10 anos. Além das continuações de Guerra do Velho – The Ghost Brigades e The Last Colony – a Aleph irá lançar ainda esse ano Encarcerados, no original Lock In, outro título de sucesso do autor.

Além do enredo perfeito para qualquer fã de ficção científica – viagem ao espaço, alienígenas, cenas de ação – a obra de Scalzi promete alcançar outros leitores, pois explora discussões sobre as relações pessoais dentro do militarismo, hierarquia, casamento, amizade, questões individuais e o que torna um ser humano realmente humano.

A história se passa em um futuro no qual os humanos são capazes de realizar viagens interestelares. O universo, entretanto, não é um ambiente amigável, pois diversas formas de vida disputam os poucos planetas habitáveis por meio de guerras. O peso de proteger a humanidade concentra-se nas mãos das Forças Coloniais de Defesa (FCD), que não apenas protegem o planeta das batalhas, como também possuem bastante conhecimento sobre a situação. Os membros desse exército são os únicos que conhecem o que acontece no espaço, e para se alistar o candidato deve ter mais de 75 anos. Assim, é exatamente isso que o viúvo John Perry, personagem principal do livro, faz.

Sobre o autor: John Scalzi é escritor, editor e crítico de cinema. Ex-presidente da Science Fiction and Fantasy Writers of America, já ganhou os prêmios Hugo e Locus, além do prêmio John W. Campbell de Melhor Escritor Estreante, com Guerra do velho, seu primeiro romance, que deu origem a uma série. Seus outros livros incluem Red Shirts e Encarcerados. Scalzi mora em Ohio, nos Estados Unidos, com a esposa, a filha e vários animais de estimação.

Guerra do Velho
Autor: John Scalzi
Tradução: Petê Rissatti
Editora: Aleph
Páginas: 365
Preço: R$ 39,90