O canônico Star Wars: Herdeiro do Jedi, de Kevin Hearne, recentemente lançado nas livrarias pela editora Aleph, é o quarto livro do novo cânone e o primeiro romance do novo cânone a se passar entre os episódios IV e V da saga. A narração em primeira pessoa expõe a mente de Luke Skywalker ao leitor, que poderá acompanhar de perto os medos, dúvidas, anseios e orgulhos do jovem Jedi. O livro é uma verdadeira incursão à psique de Luke.

No romance, o herói é designado para uma missão muito importante: resgatar das mãos do Império uma brilhante criptógrafa alienígena, conhecida por sua habilidade de decifrar até mesmo os sistemas de comunicação mais complicados. Essa excelente oportunidade de tirar uma peça-chave do inimigo requer discrição e boa pilotagem, por isso é a refeição perfeita para Luke, que não estará sozinho nessa aventura. Ele assume a missão junto com R2-D2 e a nova recruta rebelde, Nakari Kelen, que tem muitos motivos para odiar o Império.

Em Herdeiro do Jedi, Kevin Hearne, conhecido por suas obras de fantasia urbana, mostra sua versatilidade, trabalhando em um novo ambiente e dando continuidade aos personagens em uma linha cronológica perfeita. O autor se preocupa em dar o máximo de humanidade a Luke. O protagonista acaba de perder seu tutor e, ao mesmo tempo, está experimentando o poder da Força.

A representatividade feminina é outro ponto forte do livro, no qual a maioria das personagens são mulheres. Elas são personagens complexas, que possuem personalidades marcantes e estão representadas em diferentes posições importantes para a trama, desde as coprotagonistas Nakari e Drusil, a criptógrafa, até espiãs rebeldes e vendedoras de armas.

Herdeiro do Jedi é mais do que a história de um importante e carismático personagem. O livro explica tudo o que vem depois: cada passo, cada atitude de Luke nos episódios V e VI torna-se compreensível.

Sobre o autor: Kevin Hearne é fã de Star Wars desde criança, quando já adorava brincar com caças TIE, X-Wings e bonecos. Além de Herdeiro do Jedi, também escreveu a série de fantasia urbana The Iron Druid Chronicles. Vive no Colorado, Estados Unidos, com a esposa, a filha e seus cachorros.

Star Wars: Herdeiro do Jedi
Autor: Kevin Hearne
Tradutor: Alexandre Mandarino
Editora: Aleph
Páginas: 
320
Preço: R$ 39,90

Quanto Tempo o Tempo Tem, de Adriana L. Dutra, investiga as principais linhas de nossa consciência sobre o tempo, ouvindo filósofos, físicos, arquitetos, neurocientistas, transumanistas e até uma monja budista para realizar uma profunda reflexão sobre a civilização e o futuro do tempo da existência humana.

Por meio de personagens riquíssimos – entre os entrevistados estão André Comte-Sponville, Domenico De Masi, Nélida Piñon, Marcelo Gleiser, Ray Kutzweil, entre muitos outros –, Adriana L. Dutra encontra uma forma de tentar explicar as diversas relações do ser humano com o tempo.

Nessa discussão, o documentário aborda ainda as relações com as novas tecnologias e a globalização – que acontece com um aumento da produção constante, crescente e simultânea de conteúdo e de informação. O compartilhamento da privacidade por meio de redes sociais também é analisado: atualmente, via celulares, computadores, facebooks, twitters e conference calls, a identidade se multiplica e se faz presente em todos os lugares ao mesmo tempo. O simples ato de contemplar perdeu-se diante da imensa quantidade de estímulos oferecidos.

Quanto Tempo o Tempo Tem conta com a codireção e direção de fotografia de Walter Carvalho. O filme participou do Festival do Rio e da 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, além de outros festivais na América Latina. A estreia nos cinemas está prevista para 31 de março.

Pioneiro no Estado em estabelecer um circuito simultâneo, na exibição de filmes no interior de Santa Catarina, o Circuito FAM de Cinema 2016, recebe até o dia 15 de abril as inscrições de interessados em sediar a mostra itinerante.

Podem participar todas as instituições, ponto de cultura, cineclube, cinema cultural, espaço de exibição que possa receber o evento de forma gratuita ao público. Basta apenas ter disponível um local de exibição – auditório ou sala –, equipamento apropriado e sistema de som. As instituições recebem os filmes em DVD, além de todo o material de divulgação.

As cidades selecionadas vão receber seis programas com os filmes Vencedores do FAM 2015. O objetivo principal do Circuito é descentralizar e democratizar o acesso às produções de cinema do Mercosul para público diverso, sempre com entrada gratuita.

Para participar da seleção é obrigatório preencher o formulário de inscrição disponível neste link: Circuito FAM de Cinema 2016.

O Circuito FAM de Cinema 2016 será entre os dias 17 a 24 e maio, um mês antes do 20º Florianópolis Audiovisual Mercosul, realizado no Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina, na capital catarinense.

Mais informações, pelo email itinerante.fam@gmail.com.

Criada por Gene Roddenberry, em 1966, a série de televisão Star Trek se tornou um fenômeno mundial e ícone da cultura pop ao longo dos anos. Atualmente, conta com centenas de livros, 12 filmes, além de inúmeros jogos e quadrinhos. Em comemoração aos 50 anos de existência, a Editora Aleph, que foi a primeira a publicar romances sobre Star Trek no Brasil, relança uma das obras de maior sucesso da saga (que estava esgotada há anos das prateleiras): Portal do Tempo.

Em 1992, o importante livro de A. C. Crispin, marcou no Brasil o início de uma coleção de romances baseados em Star Trek. Esta nova edição leva ao leitor uma apresentação de cada personagem logo no começo do livro e um glossário que explica termos da saga, além de notas que ajudam a entender e buscar os episódios mencionados no texto. O prefácio é assinado por Salvador Nogueira – jornalista científico e editor do portal Trek Brasilis, que comenta a importância da série e alguns fatores que explicam o sucesso dos personagens, que cativam e inspiram os fãs pelo mundo.

Além de divertir o público com as missões da nave Enterprise, Star Trek teve uma significante contribuição para a história da televisão no quesito representatividade. Levou para as telas um piloto japonês, um navegador russo, uma oficial de comunicações negra, um engenheiro escocês e um imediato alienígena. Mas o impacto cultural da franquia vai além de sua longevidade. Star Trek antecipou muitos dos aparelhos e da tecnologia usada atualmente, incluindo o tablet, o PC, o palmtop e os celulares.

Depois de cinco décadas, a franquia não perdeu o fôlego: em julho será lançado Star Trek: Sem Fronteiras, terceiro da nova leva de filmes sobre a saga, e está prevista para 2017 uma nova série televisiva, que será transmitida pela BBC.

A editora Aleph pretende lançar mais livros da série em 2017 – os títulos serão anunciados em breve.

Sobre a autora: Ann C. Crispin escreveu mais de 20 livros, incluindo romances ligados a universos de Star Trek, Star Wars, Piratas do Caribe, e V, além de mundos originais. Entre as suas obras mais aclamadas estão o seu romance de estreia Portal do tempo e a trilogia Han Solo (cujo primeiro volume a Aleph irá lançar em maio). Nascida no estado de Connecticut, nos Estados Unidos, Crispin foi diretora da Science Fiction and Fantasy Writers of America (Escritores de Ficção Científica e Fantasia da América), lecionou escrita e assessorou novos escritores, além de se engajar na luta pelos direitos dos autores. Faleceu em setembro de 2013, aos 63 anos.

Star Trek – Portal do Tempo
Autora: Ann C. Crispin
Tradutor: Norberto de Paula Lima
Editora Aleph
Páginas: 
248
Preço: R$ 39,90

O 6º Festival Internacional de Cinema em Balneário Camboriú – Cinerama tem inscrições abertas até o dia 29 de abril, pelo site http://cineramabc.com.br.

Os curadores irão selecionar filmes para a Competição Oficial, Cinerama Vivo, Competição Catarina e Corujinha, que serão projetados entre os dias 14 e 24 de julho.

Realizado anualmente, o Cinerama invade as ruas e salas de Balneário Camboriú, promovendo mostras de cinema, palestras, oficinas, seminários, debates, encontros de coprodução e exposições. O festival convida diversos cineastas, profissionais e artistas que contribuem para a formação de público, profissionais e pensamento crítico.

A competição oficial exibe premières de filmes de curta e longa-metragem nacionais e internacionais de ficção, animação e documentário; o Cinerama Vivo apresenta novas formas de produzir e exibir audiovisual; a competição Catarina destaca filmes produzidos em Santa Catarina ou por artistas catarinenses; e a Corujinha apresenta filmes para o público infantil. Noturna é uma janela para o cinema fantástico.

Os filmes selecionados serão avaliados pelo Júri Oficial e premiados com a Coruja de Ouro nas categorias: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator, Melhor Atriz e Melhor Curta-metragem. O Festival contemplará uma produção de longa-metragem com o Prêmio Cineramabc de Distribuição que garantirá a distribuição do filme no circuito comercial brasileiro de cinema. As produções também serão premiadas pelo público e pela crítica.

O festival também oferece a Residência Cineramabc que permite uma verdadeira imersão no mundo do cinema através de oficinas, palestras e debates sobre a 7ª arte, produz o Foco País, que apresenta o cinema de um país diferente todo o ano, e o Encontro de Coprodução, que aproxima produtores de todo o mundo.

Os filmes selecionados serão divulgados até 28 de junho, no site do festival.