13 Filmes para Assistir Neste Halloween

O Halloween está chegando e, além das diversas tradições que até mesmo nossa cultura abraçou como própria, é de praxe que comecemos a pensar em algumas obras audiovisuais para assistirmos (ou reassistirmos) durante o feriado mais místico do ano.

Como já dizia a cultura celta – e as vertentes da bruxaria moderna -, a época do Dia das Bruxas, também conhecida como Samhain, é o momento do ano em que a linha divisória entre o mundo terreno e o mundo espiritual torna-se mais frágil e permite que haja uma interação muito maior que nos outros meses.

Acreditando ou não na mitologia wicca, é inegável dizer que o período entre os últimos dias de outubro e os primeiros de novembro clamam por histórias de terror, fantasias bem elaboradas, gostosuras e travessuras e um bom e velho filme.

Aproveite para assistir:

Para isso, separamos uma eclética lista com treze longas-metragens imperdíveis para as próximas semanas. Confira nossas escolhas abaixo e conte para nós qual o seu filme de Halloween favorito!

PARANORMAN (2012)

A produtora conhecida como Laika tem uma habilidade inegável e automaticamente reconhecível de transformar as histórias mais simples em grandiosas aventuras coming-of-age lideradas por personagens complexos e nem um pouco convencionais. E é claro que isso não seria diferente com a divertida animação ParaNorman.

O filme não traz em um mesmo cenário um grupo de criaturas fantásticas e que até hoje permeiam o imaginário popular, e sim zumbis, fantasmas e bruxas. A trama gira em torno do jovem médium Norman Babcock, que se torna o único que pode salvar a condenável cidadezinha de Blithe Hollow de perecer nas garras da temida bruxa Aggie Prenderghatst.

CORALINE E O MUNDO SECRETO (2009)

É claro que essa preciosidade da Laika também não poderia ficar de fora da nossa lista: o longa animado Coraline e o Mundo Secreto caiu no gosto popular instantaneamente e tornou-se um clássico atemporal que, mesmo dez anos depois, continua revolucionário e tirando o sono dos espectadores mais assustados.

A tenebrosa jornada de Coraline Jones convida o público a visitar um mundo paralelo habitado por pessoas com botões substituindo olhos, uma versão interessante e aparentemente convidativa da realidade que conhecemos. Entretanto, à medida que a heroína vai descobrindo os segredos daquele místico lugar, ela percebe que está sendo atraída para uma mortal armadilha.

BATTLE ROYALE (2000)

Muito antes de Jogos Vorazes, o diretor Kinji Fukasaku já nos apresentava a uma terrível distopia intitulada Battle Royale. O longa japonês, baseado no romance homônimo assinado por Koushun Takami, foi banido de diversos países por sua controversa temática e suas explícitas cenas de violência – levando a equipe a receber um processo que nunca foi seguiu em frente.

A obra gira em torno de um grupo de adolescentes que é levado a uma longínqua ilha e é forçado a lutar até a morte por uma emenda intitulada “BR-ACT”, que visa controlar a rebelde juventude da sociedade atual. Dessa forma, apenas um poderá sobreviver, e pior: dentro de apenas três dias, ou o totalitário governo responsável pela emenda irá eliminar as vítimas restantes.

UM LUGAR SILENCIOSO (2018)

A princípio, Um Lugar Silencioso tinha tudo para se tornar um longa-metragem vazio e completamente sem nexo – isso sem falar em uma cópia de qualquer futuro pós-apocalíptico levado para as telonas. Felizmente, o diretor e ator John Krasinski se utilizou do minimalismo cênico para entregar uma das melhores produções do ano passado, que inclusive o colocou em um promissor patamar como cineasta.

A trama segue uma família do Meio-Oeste dos Estados Unidos que é perseguida por uma entidade alienígena atraída pelo mais sutil dos sons. Para se protegerem, eles devem permanecer em silêncio absoluto e a qualquer custo – mesmo que isso signifique um isolamento total.

HALLOWEEN (1978-2018)

A saga Halloween possui uma das maiores fanbases da história do cinema e não é por menos: o nome Michael Myers tornou-se conhecido desde sua primeira aparição no longa original de 1978, dirigido por John Carpenter, e já foi trazido tantas vezes de volta à vida que é impossível contar quantas vezes Laurie Strode e sua família já tentou destruí-lo de uma vez por todas.

O longa é focado em Michael, uma problemática criança que assassinou sua família inteira e desde então permaneceu trancado em um manicômio. Isso é, até conseguir escapar para reiniciar seu reino de terror. A franquia teve inúmeras sequências, sendo rebootada por Rob Zombie em 2007 e retomada desde o princípio no ano passado (com duas sequências já confirmadas).

PÂNICO (1996-2011)

Qual o seu filme de terror favorito?

Wes Craven é um dos nomes mais conhecidos e mais revolucionários do gênero slasher, não apenas por criar personagens icônicos (leia-se Freddy Krueger e Ghostface), mas também por reinventar a si mesmo das formas mais inesperadas possíveis.

É partindo dessa concepção que Craven criou Pânico, uma das primeiras sagas cinematográficas que usou e abusou da metalinguagem narrativa para arquitetar uma narrativa sanguinolenta e movida pela pura sociopatia. É claro que, em quinze anos de existência, Craven deslizou aqui e ali – mas, no geral, revitalizou os contos de terror com uma deliciosa irreverência estética.

ABRACADABRA (1993)

Apesar de não ter feito muito sucesso à época do lançamento, são poucas as pessoas que ainda não assistiram à Abracadabra. A aventura de baixo orçamento comandada por Kenny Ortega é revisitada sempre que possível e não pode ser deixada de lado nas listas de Halloween – seja por suas icônicas sequências, seja por sua envolvente atmosfera sobrenatural.

Aqui, três irmãs outrora enforcadas por bruxaria são trazidas de volta à vida no Halloween para mais uma noite de caos. Elas têm apenas algumas horas para encontrar uma criança e sugar sua energia para se tornarem imortais, mas tem como principal obstáculo um grupo de jovens e um gato falante que farão de tudo para impedi-las.

O ESTRANHO MUNDO DE JACK (1993)

É estranho olhar para Halloweentown e não compreender como Tim Burton não tomou as rédeas de O Estranho Mundo de Jack uma só vez. É claro que ele co-escreveu o roteiro ao lado de Caroline Thompson, mas foi Henry Selick quem conseguiu capturar a derradeira e infinita magia desse mundo para trazê-lo a vida.

O operístico musical gira em torno de conhecidos personagens das histórias sobrenaturais, mais precisamente de Jack Skellington, o Rei das Abóboras, que sente que algo falta em sua vida para que ela fique completa. Ao descobrir uma passagem secreta para a Cidade do Natal, ele descobre as maravilhas desse espirituoso feriado e rapta Papai Noel para que os habitantes de seu vilarejo possam comemorar o evento de uma forma inesperada – e arrepiante.

A FAMÍLIA ADDAMS (1991, 1993)

Não temos como falar de Halloween sem ao menos mencionar A Família Addams; mas como uma simples menção não faz jus ao legado desse filme, precisávamos colocá-lo dentro de nossa lista – e, do mesmo jeito que Abracadabra, a obra não fez o sucesso prometido quando lançado há vários anos.

Dirigido por Barry Sonnenfeld, o longa se inicia quando um homem dizendo ser Funério, o irmão desaparecido de Gomez Addams, chega à casa da família trazendo uma nova alegria para o clã. Entretanto, Morticia começa a suspeitar que ele é uma fraude, visto que não se lembra detalhes de sua vida – e as coisas ficam ainda mais complicadas quando o suposto Funério consegue despejar os Addams da histórica mansão.

A NOIVA CADÁVER (2003)

Já ficou bem claro que a Laika é aficionada por narrativas distorcidas e obscuras que brincam com a tênue linha entre comédia, terror e drama. A Noiva Cadáver, também dirigido por Burton, não ficaria de fora dessa miscelânea que tangenciou a perfeição – elevando-se a um patamar de adoração generalizada em pouquíssimo tempo.

Ambientado na Inglaterra vitoriana, As famílias de Victor e Victoria estão arranjando seu casamento. Nervoso com a cerimônia, Victor vai sozinho à floresta para ensaiar seus votos. No entanto, o que ele pensava ser um tronco de árvore na verdade é o braço esquelético de Emily, uma noiva que foi assassinada depois de fugir com seu amor. Convencida que Victor acabara de lhe pedir a mão em casamento, Emily o leva para o mundo dos mortos, mas ele precisa retornar rapidamente antes que Victoria se case com o malvado Lorde Barkis.

INVOCAÇÃO DO MAL (2013, 2016)

Invocação do Mal é uma franquia ainda em expansão que poderia ceder às ruínas de um completo fracasso por apresentar uma narrativa excessivamente explorada por diversos filmmakers ao longo do anos – e desde os primórdios do cinema. Felizmente, a jornada de Ed e Lorraine Warren ganhou uma perspectiva nova com a incrível estética do diretor James Wan.

Talvez funcionando como uma reparação das tristes investidas do famoso caso de Amityville, a história é focada nos dois famosos demonologistas que viajam para o interior dos Estados Unidos para ajudar uma família aterrorizada por uma entidade demoníaca em sua fazenda, cuja backstory é mais trágica do que parece.

HARRY POTTER (2001-2011)

Quando pensamos em Halloween, imediatamente nos lembramos das bruxas: as lendárias e milenares criaturas humanas que se renderam às forças das trevas ganham ano após ano mais histórias cinematográficas, mas foi a saga Harry Potter que ofereceu uma das perspectivas mais interessantes e mais aventurescas da indústria audiovisual contemporânea.

Criada por J.K. Rowling, a jornada do bruxinho mais famoso de todos os tempos é ambientada na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts e serve como metáfora para diversas análises raciais. Mas principalmente, esse mágico tour-de-force, do começo ao fim, iniciou com a constante batalha de Harry, Rony e Hermione contra o maligno Lord Voldemort e seus perigosos asseclas.

CONTOS DO DIA DAS BRUXAS (2007)

Parece óbvio deixar esse filme com maior destaque, mas são poucas as pessoas que realmente já ouviram falar de ou já assistiram a esse longa-metragem.

Dirigido por Michael Dougherty, a obra funciona como uma antologia centrada no mesmo universo – ou seja, numa pequena cidade norte-americana palco para diversos eventos sobrenaturais que ganham vida na noite do Dia das Bruxas. O interessante aqui é a forma como o roteiro, também assinado por Dougherty, funde tradição e modernizado em um mesmo pano de fundo, buscando referências clássicas da bruxaria e dos compilados celtas e trazendo-as para um thriller de tirar o fôlego.

Nostálgico e surpreendente, Contos do Dia das Bruxas talvez seja um dos melhores filmes de Halloween das últimas décadas e, ainda que imperceptivelmente, carrega consigo um maravilhoso legado que deveria ser melhor explorado. E talvez o mais interessante seja o entusiasmo com o qual cada membro da equipe técnica e performática trabalha com o que lhes é entregue, encontrando-se num beco sem saída a não ser para se render a uma incrível e apavorante história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *